Bronzeada e saudável durante o ano inteiro

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+
Bronzeada e saudável durante o ano inteiro

Com as técnicas de sunless tanning, cada vez mais aprimoradas pela indústria dos cosméticos, já é possível conseguir um efeito bronzeado e saudável durante o ano todo, sem a necessidade da exposição ao sol.

"A maioria das mulheres ainda valoriza a pele bronzeada como sinônimo de beleza e saúde", afirma o dermatologista Marcus Maia, coordenador do Programa Nacional de Controle do Câncer da Pele da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). Praias, clubes, piscinas e lojas de biquínis são pontos obrigatórios no roteiro das brasileiras quando o verão impõe suas altas temperaturas. Hoje em dia, existem duas formas de adquirir uma pele mais morena: com a exposição ao sol ou por meio das técnicas de sunless tanning.

Expor-se ao sol pode trazer muitos danos à saúde. O bronzeamento da pele se dá por meio dos raios ultravioletas A e B, e sem os devidos cuidados de proteção esses raios podem ser nocivos à saúde, sendo os maiores responsáveis pelo câncer da pele. Os dermatologistas recomendam o uso de filtro solar, não somente para ir à praia, mas também no dia a dia, já que vivemos em um país tropical. Além do câncer, o excesso de sol e a falta de proteção podem causar manchas, pintas, ressecamento da pele e envelhecimento precoce.

"O nível de bronzeado depende do tipo de pele; alguns tecidos têm incapacidade de produzir pigmentos. Assim, em vez do bronzeamento, a pessoa adquire queimaduras solares e, a longo prazo, a pele pode manchar e descascar", complementa Marcus Maia. A visita ao dermatologista regularmente é essencial, pois cada pele tem sua individualidade e deve ser tratada de maneira adequada.

Já o sunless tanning consiste no bronzeamento sem exposição direta ao sol. Ou seja, pode ser feito por meio do bronzeamento artificial, do Jet Bronze e do uso de produtos que podem ser aplicados em casa.

Mesmo sem a necessidade do sol, o bronzeamento artificial também pode ser prejudicial à saúde. "Esse tipo de técnica, condenado pela SBD, também consiste na utilização dos raios ultravioletas que penetram profundamente na pele e de forma concentrada. Uma sessão equivale a um dia inteiro de sol intenso. Ele acelera o envelhecimento, pode causar queimaduras e câncer da pele", afirma o dermatologista. Já o Jet Bronze é menos agressivo, pois não depende dos raios para seu funcionamento, e pode ser feito tanto em casa como também em uma clínica de estética.

O bronzeamento sunless tanning por meio de cremes, originado dos Estados Unidos, é uma alternativa interessante, pois causa o efeito bronzeado e não traz danos à pele. "Esses produtos são à base de hidroxiacetona, uma substância que reage com a camada mais externa da pele (camada córnea) e produz a melanoidina, uma espécie de tinta amarronzada. Os dermatologistas a consideram uma ótima opção, pois não causam danos à saúde e ajuda a pessoa a alcançar o bronzeado desejado", complementa o Dr. Maia. Eles não apresentam toxidade e o índice de alergia é mínimo. Deve-se prestar atenção na forma de aplicação, para que o resultado fique uniforme e lavar bem as mãos depois para não manchá-las. O uso de luvas é considerado o ideal.

No mercado, há dois tipos destes produtos: aqueles que apresentam resultado imediato, chamados de autobronzeadores, e os gradativos, que explodiram com tudo em 2007. Trata-se de cremes que substituem o hidratante e podem ser passados depois do banho, elevando a cor dia-a-dia.

A utilização desses produtos pode trazer um resultado bonito, mas pelo fato de atingirem a camada mais superficial da derme a coloração pode ser perdida em pouco tempo (duram cerca de uma semana). Como não causa prejuízos, é indicado para todos os tipos de pele, principalmente as mais claras.

A modelo Karina Mathias, 27, tem a pele clara e já testou diversas formas de bronzeamento sunless; "O Jet Bronze tem um procedimento mais rápido, porém, notei que em uma semana a pele vai desbotando e chega até a ficar manchada. Já o bronzeamento artificial tem que ser feito com freqüência, levando até dois meses para se obter a tonalidade desejada", afirma a modelo.

"Devido aos riscos de saúde, recorri aos cremes autobronzeantes. De fato, eles funcionam, mas achei um método cansativo e incerto, pois como não enxergo meu corpo inteiro, algumas partes ficaram manchadas por não espalhar direito. Ainda assim, prefiro o bronzeamento artificial", acrescenta Karina.

Com o uso destes produtos, é possível poupar a pele do envelhecimento precoce, pintas e acúmulo de alterações que mais tarde podem provocar o câncer. Vale ressaltar que não funcionam como filtro solar, portanto, não protegem a pele do sol. "Estes autobronzeadores são muito bem vindos para os dermatologistas. Costumo indicar aos meus pacientes e ainda não surgiu nenhuma contra-indicação", finaliza Dr. Maia.

Entre os tratamentos, há também a influência dos fatores: financeiro e duração. O bronzeamento artificial custa em média de R$ 60 a R$ 90 o pacote com dez sessões e o Jet bronze está na faixa de R$ 80 a sessão. O último oferece resultados mais rápidos que o primeiro, mas é mais caro e dura menos. Ambos devem ser feitos em clínicas de estética especializadas. Já os cremes podem ser encontrados em farmácias e perfumarias, variando de R$ 15 a R$ 80, dependendo da marca. Assim, para as mais aficionadas na pele dourada, é possível mantê-la bronzeada e saudável o ano inteiro. Desde que com os devidos cuidados.

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente

Últimas