Bruno Bet

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+
Bruno Bet

Saiba o que pensa nossa personalidade da semana.

Ele tem 25 anos, 1,85m, 85kg e ficou acorrentado a mulheres durante uma semana.

O modelo e empresário Bruno Bet, conta como foi a experiência de estar acorrentado a seis mulheres. (Número que diminuía durante a semana em que ficaram juntos). Ele que veio do interior, já viajou muito, fala três línguas e mora sozinho há dez anos já passou por muitas experiências, mas esta realmente foi única!

Bruno acha agora as mulheres ainda mais complicadas que antes, mas adorou participar do programa. Ele diz como foi ficar acorrentado com tanta mulher junta, como faz para cuidar do corpo, o que gosta de comer e claro... Como era ir ao banheiro! "Nas tomadas externas ia todo mundo junto e eu sempre entrava no banheiro feminino. Entrava aquela caravana!! (...) Por sorte, na rua todo mundo só precisou fazer xixi."

ENTREVISTA AO CYBER DIET

Como é estar acorrentado a seis mulheres?

Foi tranqüilo, no começo pensei que ia ser mais difícil, mas a personalidade das meninas ajudou muito. Todo mundo soube entender a situação e não impor a vontade individual sobre a do grupo. Quando rolava algo deste tipo, a pessoa abria mão respeitando a vontade do grupo. A convivência foi muito tranquila complicado mesmo era para dormir! Como todo mundo estava preso era ou todo mundo virado para cima ou todo mundo de bruços e eu mexo muito dormindo.

Sacanagem dizer que eu ronquei, foi só porque eu estava de barriga para cima... Eu não sou um roncador!

Tudo isso foi para arrumar uma namorada?

O objetivo era de arrumar uma namorada, esse era o intuito, mas não se pode esquecer que era um reality show. Eu não era obrigado a ficar com ninguém. E escolhi a Floquinho, mas não estamos juntos. Algumas das meninas eu considero como amigas, mas estou acostumado com mulheres mais maduras e independentes e elas são todas novinhas, acabou não rolando nenhuma atração, não bateu mesmo. E forçar um beijinho eu achei que não tinha nada a ver.

O final foi divulgado antes e o suspense acabou ficando por conta da chegada dela ou não no helicóptero, como foi esta espera?

(Floquinho, a garota escolhida, ganhou a mala com o restante do dinheiro que eles ganharam do programa e tinha a opção de ficar com ele ou voltar e decidir como gastá-lo com o Bruno. Eram quase R$ 30 mil.)

Uma regravação seria realmente muito complicada. Fazer um novo final depois que o cenário e o esquema já tinham sido desmontados e etc. Eu achei que ela voltaria e ela realmente apareceu. Nós fomos embora juntos de helicóptero e repartimos o dinheiro.

(Ele afirma que ela era quem mais tinha a ver com ele e por isso a escolheu como vencedora, mas a menina chegou a comentar durante o programa que precisava do dinheiro para ajudar a mãe com câncer. Será que além de bonitão ele também tem um coração generoso?)

O que você espera de um relacionamento?

Busco uma mulher madura e independente. Eu já morei muito fora do Brasil, moro sozinho há quase dez anos, mulher mais velha tem mais experiência. Se bem que depende muito da pessoa, eu namoraria uma de 16, uma de 30 ou uma de 40. No relacionamento o importante é o companheirismo e um diálogo de mesmo nível e era isso que pegava com as garotas. Não rolou uma química.

Você está namorando?

Namorando não, mas estou saindo com uma pessoa.

Ir ao banheiro em grupo é realmente tão constrangedor quanto nós espectadores imaginamos que seja? Como foi?

Depende. Nas tomadas internas no hotel - o hotel era um reality show montado, era mais fácil - para fazer xixi, a gente ia todo mundo junto, o espaço entre as pessoas dava para uma ficar no vaso e o resto virar de costas. Já para fazer o número dois, no hotel tinha a extensão e a pessoa ia sozinha, geralmente já aproveitava para tomar banho. A porta tinha um vão por onde passava a corrente enquanto as outras pessoas ficavam no quarto.

Nas tomadas externas ia todo mundo junto e eu sempre entrava no banheiro feminino. Entrava aquela caravana!! Eram umas 15 pessoas: a equipe, o áudio, o câmera e a gente. Por sorte na rua todo mundo só precisou fazer xixi.

O que mais te enlouqueceu em estar com mulheres por todos os lados?

O que mais me enlouquecia mesmo era que eu preciso de espaço e gosto de ficar sozinho e não dava. E estou acostumado a fazer esporte. Ficar uma semana preso e sem poder dar uma corridinha ou uma nadada. Me enlouquecia ficar preso.

E o que foi mais bacana?

O mais bacana eram as coisa que a gente fazia, passamos muito bem. Só fazíamos coisas bacanas como ir ao teatro, jantar em lugares legais, a gente ficou num super hotel, ia fazer compras....As meninas são muito legais.

Passando uma semana com seis mulheres eu posso dizer que aprendi um pouco mais sobre elas. Como as mulheres são complicadas!! Eu para sair ponho uma calça jeans, uma camisa ou camiseta. Agora, mulher tem que passar rímel, curvex, base, não sei que mais... (Risos). Acho que quando vai viajar mulher leva uma mala só de apetrechos.

Como você faz para cuidar do corpo, pratica algum esporte ou exercício?

Gosto muito de snow board, mas não dá para fazer no Brasil. Faço sempre que posso, quando viajo. Aqui eu corro, umas 4 ou 5 vezes por semana, jogo tênis, gosto de nadar. Faço academia, onde vou mais para correr e para nadar e de vez em quando faço um pouco de musculação.

E a alimentação, recebe algum cuidado especial?

Eu não bebo álcool e tento cortar ao máximo gorduras e frituras.

Qual a sua comida favorita?

Comida japonesa, sou apaixonado. Salmão grelhado, shimeji shiitaki, gosto de tudo menos tempurá, que é frito.

Você cozinha? Que tipo de prato e para quem costuma fazer isso?

Até cozinho, mas não costumo. Meu tempo é muito apertado, almoçar em uma hora não deixa tempo para preparar, é mais cômodo comer num restaurante. Minha mãe é uma cozinheira de mão cheia e eu sei fazer o kit sbrevivência: arroz, feijão, macarrão, um filé... Não sai aquela maravilha mas não é uma culinária miojo e microondas. (Risos)

Como você foi parar no quadro acorrentados e o que achou de participar?

Entrei no Acorrentados por indicação, uma amiga em comum me arrumou uma chance no teste.

Gostei muito de participar. Achei bem legal mesmo, a televisão te abre uma série de portas eu também tive a oportunidade de ver tudo o que eu está por trás. Achei bacana conhecer este outro lado.

Eu gostei tanto, que participaria de televisão de novo, talvez fazendo um pequeno quadro, uma entrevista ou matéria em algum programa. Me agradaria se pintasse um convite legal. Mas algo que tomasse apenas um ou dois dias na minha semana, eu não sou artista.

Analisando friamente, quem viu o programa não me conhece de verdade e essa falsa impressão de que as pessoas passaram a me conhecer incomoda um pouco. O programa é um reality show que fala sobre relacionamentos. Os participantes destes programas costumam ser pessoas que procuram desesperadamente uma oportunidade, o que não é o meu caso. Alguns amigos comentaram comigo o que você estava fazendo lá, você não tem um diploma, uma empresa e etc?

Esta participação provavelmente lhe abrirá muitas portas, o que você pretende fazer daqui pra frente, ainda quer trabalhar com comércio exterior e administração?

Estou fazendo muitos eventos, recebi alguns convites legais depois do programa e estou tocando a minha empresa de importação e exportação. A minha profissão é a empresa, mas quando dá para encaixar um trabalho ou evento como modelo não vejo problemas. Ainda mais se paga bem. A carreira de modelo é muito instável e quero me dedicar mesmo à empresa, mas é muito bom poder transitar entre estes dois mundos tão diferentes, um com um pessoal descolado, gente jovem, e o outro cheio de gravatinhas...

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente

Últimas