Cabeça feita

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+
Cabeça feita

As doenças de couro cabeludo estão cada vez mais freqüentes. Você sabia que isto tem a ver com este nosso modo moderno e frenético de viver? Pois é, a caspa, que é o mal mais comum, pode piorar muito frente ao cansaço e o stress emocional.

A caspa, ou seborréia, acontece devido a um excesso de oleosidade produzida por um aumento da secreção das glândulas sebáceas que existem dentro da pele. Ela tem caráter crônico, com tendência a períodos de melhora e de piora - geralmente se agrava no inverno - e o stress, somado ao nosso ritmo de vida "fast forward", pode ser o gatilho para que apareça ou um fator para que piore.

Outra doença muito comum e freqüente nas crianças é a micose, onde os cabelos se partem próximo ao couro cabeludo. E não podemos nos esquecer da calvice, a famosa alopécia androgenética, que pode ocorrer tanto em homens quanto em mulheres. O Dr. Márcio Rutowitsch, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Dermatologia, troca em miúdos e explica que ela é decorrente de um problema no folículo piloso (cabelo), fazendo com que ele caia numa proporção muito grande deixando, então, o couro cabeludo mais visível.

Se você tem alguns destes problemas a solução é procurar um especialista e tomar a medicação indicada. Geralmente são cremes ou shampoos, mas se você já experimentou sabe o que eles fazem com a aparência do cabelo. Estes produtos tendem a ressecar o cabelo pois removem da haste dos fios a ceratina, uma proteína pouco hidrosolúvel que é a principal constituinte dos cabelos, unhas e pêlos. O mesmo acontece quando usamos uma mesma marca durante um longo tempo, ela remove esta proteína deixando o cabelo com aquele aspecto de palha: ressecado e quebradiço.

Alternar o shampoo de tratamento com um normal pode ser um paliativo para a aparência, mas certamente não resolve o problema. "Após o tratamento e a melhora do paciente, tudo bem. No entanto, se suspender antes de apresentar melhora, não há solução." , afirma o Dr. Márcio. Não tem choro nem vela não, melhor usar durante um pequeno período e resolver o problema do que ficar se enganando. Mas uma notícia boa é que, em alguns casos, podem ser indicados comprimidos para diminuir o problema sem prejudicar os fios.

Na hora de escolher o seu shampoo procure um adequado ao seu tipo de cabelo, com o qual você se sinta bem e prefira os que não agridam muito a haste dos cabelos. Na dúvida peça a orientação de um especialista, você pode estar escolhendo errado e por isso não fica com aquele cabelo macio, sedoso, cheio de brilho e que aparece nas propagandas.

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente

Últimas