Conheça a homeopatia

Conheça a homeopatia

Para o clínico geral Eduardo Lambert - que também é homeopata e terapeuta floral - o combate ao estresse envolve a homeopatia associada a várias técnicas: a terapia floral, ortomolecular, reeducação alimentar e o relaxamento anti-stress. É ele quem explica o be-a-bá da homeopatia para o Cyber Diet.

O que é homeopatia?

Homeos e pathos vem do grego e significam "semelhante" e "doença", e daí vem a Lei Áurea da Homeopatia: "o semelhante cura o semelhante", portanto Homeopatia é a Especialidade Médica mais antiga, que teve suas bases científicas codificadas desde 1796, pelo médico alemão Samuel Frederico Hahnemann. Tem um arsenal terapêutico infinito, do qual são utilizados de 2500 a 4000 remédios naturais provenientes dos três reinos da natureza: o vegetal, o mineral e o animal.

Como é preparada?

Se forem vegetais ou animais passam pela maceração no álcool de onde é preparada a Tintura-Mãe. Se forem minerais, passam pela trituração a partir da qual é feita a Tintura-Mãe no álcool. A partir da Tintura Mãe, que é a matriz vibracional, os remédios homeopáticos são preparados de forma especial em diluições infinitesimais sucessivas e são dinamizados para se utilizar o mínimo de matéria e o máximo de energia. A farmacêutica ou a auxiliar que prepara deve fazê-lo em bom astral, com bom humor.

No que a homeopatia age?

Age na pessoa como um todo corporal, emocional e espiritual. Age nos sintomas físicos, orgânicos ou gerais. São chamados sintomas gerais àqueles relacionados ao meio ambiente. Por exemplo, mudança de clima.

O que é considerado para a preparação dos remédios?

A totalidade sintomática é levada em consideração para a seleção dos remédios homeopáticos. São muito importantes os sintomas peculiares a cada pessoa, que são os sintomas característicos que a individualizam e permitem a prescrição do remédio de fundo, constitucional ou crônico, que é o chamado de "similimum", o remédio que equilibra a vida da pessoa e a cura de todos os males.

A homeopatia age mais na prevenção ou na cura?

Tanto age preventivamente como age curativamente e a ação é rápida, suave e duradoura. Ao contrário do que propalam por aí. Este número diminui cada vez mais. Em enquête feita pela Associação Paulista de Medicina, mais de 70% dos médicos já encaminham pacientes aos seus colegas médicos homeopatas. Age nas doenças crônicas e a ação também se verifica nas doenças agudas, infecciosas ou não.

É capaz de prever possíveis doenças e curar?

Existem estados emocionais ou característicos que devem ser detectados e tratados precocemente, pois poderão gerar desequilíbrio energético e psicossomático, como depressão, tristeza, melancolia, ansiedade, angústia, medos, impaciência, intolerância, ciúmes, inveja, egoísmo, vaidade, orgulho, autoritarismo, gula, raiva guardada, sexualidade reprimida e outros sintomas que podem gerar distúrbios energéticos que, se não tratados, com o tempo afetam o organismo se materializando ou somatizando em doenças ou enfermidades, tais como alergias, infecções, asma, bronquite, rinite, gastrite, úlcera, nefrite, hipertensão, lombalgias, frigidez sexual, impotência sexual, cânceres etc.

Por que o tratamento é lento?

A ação da homeopatia não é lenta. Isto é intriga da oposição. O tempo de instalação de uma doença crônica varia de meses a anos e, infelizmente, a maioria das pessoas só vai ao médico depois que a doença faz moradia crônica em seus corpos. É interessante observar que o tempo de cura é menor que o tempo de instalação das doenças. E, quando se seleciona corretamente os remédios, a homeopatia que trata o doente e, conseqüentemente, a doença, tem se mostrado mais rápida que todos os outros tratamentos de doenças crônicas. O mesmo acontece nas doenças agudas, infecciosas ou não. Ela é mais curativa, age energeticamente e fisicamente, promovendo o equilíbrio interior, fortalecendo as defesas orgânicas e despertando os mecanismos de cura e autocura.

Como se dá o processo de adaptação à nova medicação?

Os seres humanos são seres naturais e os remédios homeopáticos são naturais, portanto a adaptação se processa naturalmente. A homeopatia desperta os pacientes para um maior autoconhecimento, pois através da auto-observação poderão prestar as informações precisas e descrever corretamente os sintomas em suas variadas modalidades. As pessoas passam a se conhecer melhor, as mulheres já ficam sabendo quando é o período fértil e o que devem evitar que lhes causa o mal físico, emocional e espiritual.

Como é o diagnóstico da doença ou como se faz a prescrição?

Todo homeopata é um alopata que se especializou em se aprofundar mais no paciente para se medicar com uma terapêutica mais profunda. O diagnóstico da doença é o mesmo e o diagnóstico do doente é que envolve os sintomas da doença e outros sintomas característicos e peculiares a cada pessoa, por isto que um medicamento que emagrece uma pessoa, pode não curar outra do mesmo mal, pois a prescrição é individualizada de acordo com a personalidade em questão.

Como o médico sente, através da conversa e do depoimento do paciente, qual é a medicação indicada?

O maior instrumento de trabalho do médico homeopata são os sintomas que devem ser bem descritos e bem modalizados para que ele acerte os remédios que cobrem a totalidade sintomática, característica e peculiar a cada pessoa. Através da observação pura, sem julgamentos ou preconceitos, e utilizando-se de uma técnica semiológica que permite uma entrevista e um interrogatório não-diretivo, faz a captação da totalidade de sintomas que permitirá o cálculo matemático do remédio a ser prescrito. Além do medicamento, o médico deve acertar ainda a diluição centesimal, ou seja, a dinamização ou a potência energética para o caso em questão, que produzirá o efeito curativo no quadro total da enfermidade.

Como deve ser ingerido?

A rigidez no horário é necessária ou vale apenas ingerir nas quantidades certas e no número de vezes certo? A ingestão do remédio homeopático há quase duzentos anos recomendada por Hahnemann, o pai da Homeopatia, é sempre pela boca e, de preferência, em baixo da língua, para que se processe a absorção o mais rapidamente possível. A forma de se tomar varia de acordo com a necessidade do paciente. Nas doenças crônicas pode-se optar por uma tomada de doses únicas diárias ou mensais e nas doenças agudas com sintomas altamente incomodativos, pode-se optar por varias tomadas diárias, antes das refeições, por exemplo: tomar 5 gotas quatro vezes ao dia: em jejum, antes do almoço, antes do jantar e ao se deitar, sem o rigor extremo de horários e no número de vezes que é de acordo com cada caso.

Quem se trata com homeopatia nunca usa outras formas de medicação?

Eu geralmente prescrevo o tratamento homeopático simples ou associado à terapia floral de Bach, da Califórnia e da Austrália, ou mesmo com a ortomolecular, de acordo com a necessidade do paciente. E observei nestes vários anos que estas associações aceleram o tempo de melhora ou de cura. É uma questão de direito de opção do paciente, o qual pode até tomar os remédios tradicionais ou alopáticos conjuntamente, pois as terapêuticas não se chocam, nem se prejudicam e não se contra-indicam, pois as especialidades médicas existem para se unirem e se completarem em benefício dos pacientes.

Existem casos onde é necessário usar os dois tipos de tratamento, tipo acidentes etc?

O tratamento com a Medicina convencional, ortodoxa ou tradicional, também chamada de alopatia é muito importante e jamais deve ser descartado, principalmente nos casos de emergência, por exemplo, cardiovasculares, em casos de acidentes, em casos de cirurgias necessárias nos quais tem que ser removido um obstáculo à cura onde ela é extremamente eficaz. E em muitos casos é necessário que se prescreva estas duas terapêuticas que se completam.

E no tratamento contra doenças fatais, como o câncer e a Aids. Qual é a aplicação?

O tratamento homeopático pode ser aplicado em todos os tipos de enfermidades crônicas ou agudas, malignas ou não e até nos casos de câncer ou AIDS. Sobre a AIDS; nós montamos na Associação Paulista de Homeopatia o Ambulatório do Aidético e trabalhamos em conjunto com a Dra. Valéria, do Hospital São Paulo, desenvolvendo um atendimento e um tratamento que visava a "Avaliação da Terapêutica Homeopática no Aidético", onde obtivemos resultados benéficos confirmados pelos exames laboratoriais e surpreendentes melhoras para estes pacientes, na época tão discriminados pela sociedade.

A homeopatia é o melhor remédio contra o estresse?

Esta coisa de melhor quem deve achar é o paciente, que tem o direito de escolha do seu médico e do tratamento que quer se utilizar. A escolha do médico envolve confiança, empatia e uma série de fatores importantes na relação médico-paciente. Eu trabalho com a homeopatia e várias outras terapias complementares, como a terapia floral, a alimentação, a ortomolecular, o relaxamento e outras que são utilizadas conjuntamente de acordo com a necessidade da pessoa. E no caso anti-stress, por exemplo, eu utilizo a homeopatia associada a terapia floral, ortomolecular, reeducação alimentar e o relaxamento anti-stress, baseado no meu livro "A Terapia da Respiração Relaxterapia".

Qual a relação da homeopatia com a alimentação?

Hipócrates, o pai da Medicina, o criador da alopatia e da homeopatia, já dizia: "que o teu alimento seja teu medicamento". Deve-se evitar os alimentos artificiais ou artificializados que se constituem em obstáculo à cura. Sendo o homem um ser natural, a alimentação deve ser o mais natural possível, com alimentos naturalmente preparados em recipientes mais adequados à saúde: inox, cerâmica, pedra-sabão, ferro, etc. Os cereais, as verduras, legumes, as frutas, o leite, o mel são os alimentos mais naturais e mais saudáveis. De acordo com a necessidade, além da terapêutica deve-se fazer uma dieta adequada a cada caso: dieta para emagrecer, para engordar, anti-ácido úrico, anti-febre, laxativa, obstipante, anti-colesterol, etc. A Homeopatia é soberana, nenhum alimento e nenhuma substância corta o efeito de seus milhares de remédios naturais.

Essa é a combinação certa? Alimentação balanceada e homeopatia na prevenção e na cura?

Além de uma alimentação bem balanceada, do tratamento homeopático, da terapia floral, de um bom relaxamento e de outras terapias qualitativas, o importante é tudo o que melhora a qualidade de vida, como o autoconhecimento e a evolução do ser humano. Alimentar-se corretamente, dormir bem, banhar-se duas vezes ao dia, ingerir líquidos no intervalo das refeições, caminhar, exercícios físicos, contato com a natureza, boas palestras, bons cursos, lazer, viagens. Enfim, tudo o que vise uma vida mais saudável e a evolução espiritual.


Porque optar pela homeopatia?

Cada um tem o livre arbítrio, o direito e a liberdade de decidir o que é melhor para si. Gosto não se discute, cada um é cada um. O importante é aprender a dizer não, libertar-se do passado, ser o que se tem que ser e viver o presente. Entre as especialidades médicas, a homeopatia representa uma opção científica mais natural que visa o estado de equilíbrio energético, a auto-observação, a harmonia interior, a saúde mental, emocional, orgânica e a evolução espiritual, para que a pessoa possa ser cada vez mais ela mesma e cumprir cada vez mais a sua missão na vida.

Comente

Últimas