Dermolipectomia Abdominal ou Abdominoplastia

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Conheça a técnica que promete acabar com excesso de pele e gordura

Dermolipectomia Abdominal ou Abdominoplastia

As mulheres que estão constantemente à procura de novos métodos que auxiliem no emagrecimento sabem que são muitos os tratamentos oferecidos no mercado e os resultados dependem da sua colaboração, pois nada adianta você deixar o seu rico dinheirinho nas clínicas de tratamentos estéticos e não mudar o seu estilo de vida. Ter uma boa alimentação e praticar exercícios regularmente (pelo menos três vezes por semana) são pontos que merecem transformações imediatas, de outra forma, não conseguirá desfilar com a barriguinha chapada nem no próximo verão. No entanto, em alguns casos, somente a cirurgia plástica do abdômen será capaz de retirar toda a pele e gordura indesejadas da área.

Se você já conseguiu passar a etapa da perda de peso, mas não consegue se livrar da gordura e pele extras, a Dermolipectomia Abdominal, também conhecida como Abdominoplastia pode te ajudar, já que a cirurgia apesar de não emagrecer, remodela a região do abdômen e retira o excesso de pele. Com o envelhecimento, a gravidez, o efeito sanfona de engordar e emagrecer, a pele, principalmente da região abdominal tende a ficar flácida. Durante o processo é sabido que alguns quilos serão perdidos, mas esse resultado estético varia muito de paciente para paciente, uma vez que é obtido a partir das proporções que o abdômen mantém com o restante do corpo.

Para as futuras mamães que já estão pensando em dar uma mãozinha para o corpo voltar a forma antiga, saiba que em casos como os de parto, por exemplo, o resultado é excelente. De acordo com o diretor do Centro Nacional de Cirurgia Plástica, Arnaldo Korn, "em outros casos, em que o paciente está com o peso acima do normal, vale a pena lembrar que "excesso de gordura" em outras regiões vizinhas do abdômen ainda existirão, o que nos leva a aconselhar àquelas que assim se apresentem a prosseguir com um tratamento clínico ou fisioterápico, para equilibrar as diversas partes entre si", explica o especialista que completa: "lembre-se que o bisturi do cirurgião apenas aprimora suas próprias formas, que poderão ser melhoradas ainda mais com cuidados de uma esteticista ou fisioterapeuta, desde que se associem estes tratamentos complementares logo nas primeiras semanas após a cirurgia".

Se interessou pelo método e quer saber mais informações? A cirurgia dura em média de 90 a 120 minutos, o corte é feito abaixo do umbigo e a cicatriz deixada é praticamente imperceptível, mas é bom lembrar que até a pele estar totalmente cicatrizada, ela passará por diversas fases de evolução até estabelecer-se definitivamente como uma simples marquinha. No entanto, não adianta ter pressa, uma vez que o resultado só poderá ser visto de 12 e 18 meses depois da operação.

Outro ponto importante a ser ressaltado é o fato do operado poder tomar banho somente após 3 dias da cirurgia e, apesar de parecer complicada, não requer grandes esforços por parte dos pacientes. Porém certos cuidados devem ser tomados e devem ser levados à risca, tais como: evitar esforços por 14 dias, evitar molhar o curativo, andar curvado e com passos curtos, não se expor ao sol e a friagem por 2 semanas, entre outras coisas. Agora, se você ainda não decidiu se quer ter mais filhos, o seu ginecologista é o especialista mais aconselhado para te orientar e esclarecer todas as suas dúvidas.

Por Paula Perdiz

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente

Últimas