Diga adeus ao braço flácido

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+
Diga adeus ao braço flácido

A flacidez nos braços que incomodava a fisioterapeuta Jaqueline Miranda, 34 anos, é a mesma que atormenta muitas pessoas que passam por grandes emagrecimentos

"Eu perdi 20 kg e fiquei muito flácida porque não tive um acompanhamento físico. Quase todas as partes do meu corpo ficaram feias. Mas a região do braço, especialmente, deu uma diferença muito grande", conta.

Para amenizar o desconforto, Jaqueline fazia tratamentos estéticos, como massagens e "choquinhos": "Era tanto esforço para nada. Os resultados não apareciam, isso porque eu fiquei muito tempo fazendo exercícios para o braço"

Apesar de usar sempre blusas de alcinhas, a fisioterapeuta não suportava ficar na frente do espelho. "Ao levantar os braços para dar o famoso ‘tchauzinho’, eu não me sentia bem", diz.

Cansada de se dedicar a cuidados sem retorno, Jaqueline resolveu optar pela medicina, em busca de uma solução definitiva para o seu problema. Foi quando decidiu fazer a cirurgia no braço. "Eu evitei ao máximo tomar essa decisão, mas não teve jeito", afirma.

A cirurgia que Jaqueline fez tem nome: dermolipectomia braquial. "Ela é indicada após grandes emagrecimentos, alternância de períodos de ganho e perda de peso. É comum também que ocorra um abalamento flácido da porção posterior do braço, com pessoas

de idade", explica o médico André Gonçalves de Freitas.

A flacidez nos braços se deve ao excesso de pele formado durante o período de sobrepeso. "Por ser a pele posterior do braço relativamente fina, ela não contrai o suficiente após a perda ponderal, acarretando o excesso de pele local. A dermolipectomia braquial visa retirar este excesso de pele, proporcionando um contorno do braço mais natural e menos flácido", afirma o médico.

Pós-operatório

O paciente que fizer a cirurgia deve evitar o excesso de movimentos, principalmente levantar os braços por 30 dias, visto que a cicatriz se encontra na axila e será forçada nestes casos. "Quanto menor for a tração sobre a cicatriz, menor será o seu alargamento", explica André Gonçalves de Freitas.

Raramente a cirurgia de dermolipectomia braquial traz sérias complicações. "Ela é feita sob anestesia geral, não leva mais que três horas e o período de internação é de geralmente 24 horas", diz o especialista.

Segundo o médico, entre as complicações possíveis, porém incomuns, podem ser citados: hematoma, seroma (acúmulo de líquido) infecção, necrose (sofrimento da pele), deiscência (abertura da sutura), quelóide (manifestação exagerada na cicatrização) e trombose.

As complicações mais freqüentes acontecem em paciente fumantes. Por isso, estes devem se abster do cigarro por um mês antes da cirurgia, para minimizar os riscos. "No caso de uso de anticoncepcional oral ou injetável, deve-se suspender a utilização um mês antes da cirurgia, período no qual outro método anticoncepcional deve ser adotado", diz o médico.

O resultado definitivo da dermolipectomia branquial é atingido após seis meses da cirurgia. "Este é o período necessário para a acomodação dos tecidos e amadurecimento da cicatriz", afirma o especialista.

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente

Últimas