Kigeline, um produto que promete firmeza aos seios

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+
Kigeline um produto que promete firmeza aos seios

Chegou ao Brasil no início deste ano o Kigeline, um produto de origem africana já utilizado na Europa e nos Estados Unidos para cuidar dos seios.

O produto promete melhorar a elasticidade da pele na região do colo em até 70%, deixando os seios mais firmes e empinados, além de elevar as medidas peitorais.

Na África, algumas mulheres tinham o hábito de colher a planta nativa Kigelia para tratar da beleza dos seios. Seu fruto costumava ser usado ao natural. Elas massageavam a região com a semente da planta com a finalidade de firmá-la ou aumentá-la. Essa prática despertou o interesse dos europeus, levando o laboratório francês Prodhyg a estudar a substância e pesquisar seus benefícios.

"A eficácia do produto se dá ao fato dele estimular a produção do colágeno, fazendo com que o seio aumente e empine naturalmente. Além disso, o Kigeline funciona como fitormônio, um hormonio natural", afirma o farmacologista, bioquímico Maurício Pupo. Atualmente, Pupo também é consultor da Consulfarma, empresa especializada na fabricação de cosméticos destinados ao mercado médico e de estética. Com o uso do produto, os seios ficam com uma aparência mais modelada e torneada.

A pesquisa inicial do laboratório francês foi feita com uma paciente de 26 anos, que tinha engravidado três anos antes do teste. Ela aplicou um gel com 20% do princípio ativo de Kigeline (dosagem máxima permitida) diariamente, massageando e espalhando o produto por toda região do colo e do pescoço durante três semanas. Ao final do tratamento, os seios estavam mais tonificados e empinados.

Os seios são compostos por glândulas mamárias e tecidos adiposos. Não existe músculo no local, apenas um tecido conjuntivo entre lóbulos, que forma os ligamentos de suspensão e fixa as glândulas aos músculos subjacentes e à pele. É nessa região que os cremes atuam. É importante estimular freqüentemente e regularmente o metabolismo local para manter seu bom estado.

"Por enquanto, o Kigeline só é feito mediante receita médica em farmácia de manipulação. Ele pode ser receitado por qualquer médico que trabalhe na área de estética, como cirurgiões plásticos e dermatologistas. Os resultados variam de acordo com a idade da paciente. Quanto mais avançada a idade, menor a reação a estímulos da substância. Não há contra-indicação, pois é um ativo natural que atua na pele e não na glândula", afirma o cosmetologista.

Em uma segunda fase do estudo, foram avaliadas 20 voluntárias, entre 30 e 45 anos, com pelo menos uma grávida e medidas de busto menores que 90 centímetros (tamanho considerado grande para as medidas brasileiras). Nessas pacientes, o tratamento durou quatro semanas e a quantidade do produto foi de 5% (dosagem mínima). As voluntárias apresentaram em média 70% de melhoria na firmeza, elasticidade e tonacidade da região.

Ana Lívia Martins, de 27 anos, utiliza o Kigeline há cerca de três meses e afirma que já notou a diferença. "Procurei o Kigeline porque queria aumentar um pouco meus seios. Esse foi o primeiro tratamento que fiz e mesmo depois de notar os resultados, continuo usando todos os dias. A maior diferença foi na parte de cima, o colo ficou mais preenchido", afirma ela.

Por outro lado, alguns médicos acham que é cedo para afirmar a eficácia ou receitar cosméticos à base de Kigelia, pois a pesquisa foi feita com poucas mulheres. A dermatologista Lídia Ferraro, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, não acredita na eficácia de produtos com proposta igual ou parecida com a do Kigeline. "É difícil combater a lei da gravidade com cremes. É a mesma coisa que afirmar que um creme para combater a celulite é eficaz. Não acredito nisso. Se o sutiã, que é um elemento de sustentação, faz um trabalho desgraçado para sustentar os seios, como um creme resolveria?", questiona ela.

O Kigeline pode ser encontrado na maioria das farmácias de manipulação. O preço para 100 gramas varia de R$ 60 a 80, mas só é vendido com apresentação de receita médica.

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente

Últimas