Lipoaspiração sem dor

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+
Lipoaspiração sem dor

Nova técnica desenvolvida por brasileiro promete modelar o corpo sem dor e com recuperação rápida.

Atire a primeira pedra quem nunca sentiu vontade de arrancar um pneuzinho do corpo num momento de fúria diante do espelho.A gordura localizada é uma das reclamações mais freqüente entre homens e mulheres nos consultórios médicos e clínicas de estética.

Lipoaspiração sem dor

Existem muitos caminhos para tentar livrar-se de vez dessas imperfeições, como o uso de cremes, gel e muitas outras fórmulas que podem ser aplicadas em casa. Além disso, existem técnicas pouco ou não-invasivas, como ultra-som, mesoterapia e hidrolipoclasia ultra-sônica que também prometem resultados eficazes.

Mas, a mais difundida é mesmo a lipoaspiração. Ela é a responsável por eliminar completamente o mau. O problema fica mesmo com o pós-operatório, que quase sempre vem acompanhado por dores e repouso forçado.

Lipoaspiração sem dor

A novidade agora foi criada por brasileiros. O nome é Hidrolipoclasia Aspirativa, o HLPA. Esta nova técnica surgiu da associação de duas técnicas da área médica para tratamento da gordura localizada, a Lipoplastia (micro-lipoaspiração) e Hidrolipoclasia Ultra-sônica.

"Com anestesia local e o paciente em pé é aplicado uma solução de soro fisiológico e analgésico na região. As células de gordura absorvem o soro e rompem-se, tornando a gordura liquefeita que é facilmente aspirada pelas minúsculas cânulas", explica um dos responsáveis pelo desenvolvimento da técnica, Alexander Gomes de Azevedo, especialista em Nutrologia e Medicina Estética.

Lipoaspiração sem dor

1. Abdome Inferior

2. Abdome Superior

3. Flancos

4. Culotes

5. Interna da Coxa

6. Interna dos Joelhos

7. Dorso Inferior

8. Dorso Superior

9. Sub-Glútea

10. Posterior do Braço

A aplicação é muito rápida, demora cerca de uma hora, sendo 20 minutos para a aplicação do soro, 20 minutos para o ultra-som e os últimos 20 para a retirada da gordura. "Com a nova técnica, o paciente pode fazer o procedimento na hora do almoço e voltar a trabalhar", garante o especialista.

Alexander destaca que a técnica é a mais eficaz para o tratamento do culote, um dos maiores inimigos das brasileiras. "Na lipo tradicional, com o paciente deitado, o culote praticamente desaparece. Com o HLPA, uma vez que o procedimento acontece com o paciente em pé, é possível localizar todos os pontos de acúmulo de gordura."

A interação do cliente ao longo do processo também é uma das inovações do HLPA. Os resultados podem ser avaliados de imediato. "Em cada intervenção podem ser feitas duas áreas do corpo. O intervalo entre uma aplicação e outra deve ser de uma semana".

Quanto aos riscos, Alexander é categórico. "O maior risco diz respeito à experiência do profissional que vai fazer o procedimento. É preciso estar muito acostumado a trabalhar com essas cânulas finíssimas. É um trabalho que só pode ser realizado a quatro mãos. Por isso, a técnica foi toda desenvolvida em parceria com o cirurgião plástico Luis Fernando Dockhorn".

Para a manutenção do tratamento, Alexander diz que o indicado é "fazer drenagem linfática manual e ultra-som nas duas primeiras semanas pós-procedimento, além da dieta HLPA (alimentos com características anti-inflamatórias, diuréticas e cicatrizantes) durante pelo menos seis dias pós-procedimento".

O cirurgião plástico e Membro do Conselho Deliberativo da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Ewaldo Bolívar de Souza Pinto lembra que "não existem milagres na medicina". "Esta é uma lipoaspiração fracionada. O medo deste tipo de intervenção é não obter um resultado geral consistente, uma vez que cada região é feita de maneira independente, sem saber a forma que o corpo dará".

Bolívar ainda chama a atenção para dois pontos importantes. "É preciso estar atento para procedimentos feitos fora de um centro cirúrgico. Sempre existe o risco de contaminação. Outro ponto a ser colocado em questão é a anestesia local. Anestesia local não é inócua como se acredita. Pode causar problemas alérgicos e intoxicação, dependendo da quantidade".

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente

Últimas