Natação livre do cloro

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+
Natação livre do cloro

Boa notícia para quem adora fazer natação e teve que abandonar o esporte porque sofria com alergias, crises de rinite e pele ressecada. Um novo modelo de tratamento da água da piscina acaba com essas indisposições e torna o esporte ainda mais atrativo.

São as piscinas salinizadas. Ou seja, água salgada. Mas não se espante. Você não vai nadar em água do mar. Esse tipo de tratamento vem se expandindo pelo mundo todo e é muito utilizado na Europa e Estados Unidos.

No Brasil há menos de três anos, a técnica ganha adeptos a cada dia. "As academias mais modernas do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Rio Grande do Sul já oferecem a novidade para seus alunos", conta o representante da Saltonic, Alan Parailloux, empresa australiana que distribui o equipamento no país.

Alan explica que o princípio de funcionamento é simples. A água da piscina, previamente salgada com 3 ou 4 gramas por litro, passa na célula do aparelho que por eletrólise do sol produz hipoclorito de sódio. Este cloro ativo natural desinfeta e destrói bactérias, algas e micros organismos que se desenvolvem na água da piscina. Em seguida, o hipoclorito de sódio combina de novo com o sal. Num ciclo sem fim, permite uma perfeita autonomia no sistema.

"É por isso que a água fica constantemente tratada, sem excesso de cloro no ambiente", completa Rogério Kurtenbach, da Velox Academia, no Rio de Janeiro. A Velox, desde a sua inauguração há um ano trabalha com a salinização da água da piscina. Rogério garante que os alunos aprovaram.

"A água da piscina é seis vezes menos salgada do que a água do mar e duas vezes menos do que a lágrima. Então a sensação de conforto e bem-estar é imediata", continua Rogério. "Você pode nadar com os olhos abertos sem a menor irritação. Além disso, a água dá a impressão de ser mais leve, menos pegajosa do que a clorada."

"O cloro se dissipa facilmente e para que a piscina mantenha o nível indicado é preciso colocar uma quantidade maior. Por isso alguns ambientes ficam insuportáveis", afirma Rogério. A afirmação também vem do médico Nicholas Pellegrini Magaldi, diretor técnico do Hospital Internacional dos Estivadores de Santos, o Hies.

"O cloro pode trazer problemas como bronco-espasmo e até mesmo insuficiência respiratória. Há poucos dias tivemos um caso aqui no hospital de uma senhora com insuficiência respiratória aguda por causa da aula de hidroginástica".

A dermatologista e cosmetologista Helena Zantut aprova a piscina salinizada. "Não desidrata tanto quanto a clorada, uma vez que a quantidade de sal é mínima. Efeitos como pele ressecada e esbranquiçada, comuns na piscina tradicional, não acontecem com essa nova técnica."

Helena lembra que mesmo assim é bom e aconselhável manter alguns cuidados com a pele e cabelos na hora de nadar. "Use sempre um silicone para proteger os cabelos e um protetor solar nas pontas. Na hora do banho, usar um xampu à base de ceramidas. Para o corpo, é bom usar pouco sabonete e abusar do hidratante logo após".

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente

Últimas