Piercing: o acessório que virou moda

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+
Piercing o acessório que virou moda

O que antigamente era sinônimo de rebeldia, hoje tornou-se um acessório fashion.

O piercing virou moda e faz parte da vida de muitas pessoas, principalmente dos jovens. O acessório, cada vez mais visto pelas ruas, aparece decorando umbigo, nariz e supercílios de mulheres do Brasil todo.

De acordo com a Bianca Gattoni, do Body Piercing Clinic, em São Paulo, o piercing não é apenas uma moda passageira. "O piercing foi uma moda que veio e ficou. O número de pessoas que colocam aumenta a cada dia. O nariz, umbigo e as orelhas são os locais campeões na preferência feminina", conta Bianca.

Na televisão, muitas atrizes já aderiram ao piercing. Esse foi o caso da atriz Leandra Leal, que colocou o acessório por causa de Maria Claudia, sua personagem em "Senhora do Destino" da Rede Globo. "Nunca fui contra o uso de piercing. Até tinha vontade de colocar, mas não tinha tido oportunidade. Quando sugeriram que a personagem usasse, só pedi que fosse na sobrancelha. Acho que não faria em outro lugar", disse Leandra.

A atriz aprovou tanto que ainda permanece com o acessório. "Mesmo com o fim da novela eu não quis tirar. Eu apenas troquei para um menor e mais delicado. Não quero tirar tão cedo", declara a atriz.

Apesar de estar na moda, não são todas pessoas que podem colocá-lo. Segundo a Lei Estadual de autoria do deputado Campo Machado (PTB), a aplicação de percing e tatuagem é proibida, desde 1997, para menores de idade, mesmo com o consentimento dos pais. "Mas mesmo assim isso ocorre. Há profissionais que não se preocupam com isso. Aqui no estúdio a pessoa interessada em colocar um piercing tem que assinar um termo de responsabilidade no qual declara possíveis problemas de saúde, mesmo sendo maior de idade", informa.

A especialista concorda com a lei e considera a possibilidade de um menor não estar em plena consciência ao resolver colocar um piercing. Bianca ressalta que o ideal é que as jóias sejam aplicadas depois dos 16 anos, como acontece na Europa. "Acima dos 16 anos, a pessoa pode evitar problemas relacionados ao crescimento e desenvolvimento do corpo", explica.

O processo de perfuração do piercing é simples. "Primeiro é feita a assepsia do local a ser perfurado. A região é limpa com um anti-séptico e seca com papel-toalha. Com uma agulha intravenosa (método inglês), a região é atravessada. A perfuração é bastante rápida. O catéter, seguindo a agulha, atravessa a região para, depois, ser colocada a jóia", explica Bianca.

Perfuração e Cicatrização

Além da vontade de ostentar um acessório diferente, quem quiser um piercing terá que inevitavelmente enfrentar a dor. Segundo Bianca, as perfurações são feitas sem qualquer tipo de anestesia. "Mas é tão rápido que torna-se suportável", tranqüiliza.

A escala de dor varia de pessoa para pessoa e de um lugar para o outro. Os lugares onde dói mais são língua e nariz. Depois, mamilo e orelha. Os lugares onde sente-se menos dor são sobrancelha e umbigo.

Um cuidado importante é escolher um lugar de confiança para fazer o piercing. Dessa forma, o risco de problemas e infecções é bem menor, garantindo sua segurança. "O estúdio deve ter alvará da vigilância sanitária, e o profissional tem de usar, além de luvas, material descartável e instrumentos esterilizados", recomenda Bianca.

Apesar dos cuidados, os riscos de infecções são grandes. A língua e o umbigo são os lugares onde há mais riscos de infecção. "O umbigo é uma das partes que muitos esquecem de enxugar bem, ela fica úmida e exposta a bactérias. O nariz é um local úmido e quente, perfeito para a proliferação de bactérias", explica a especialista.

O processo de cicatrização da perfuração é fundamental para que não haja problemas futuros de irritação, inflamação e até quelóide. É importante seguir a orientação do profissional, limpar o piercing duas vezes por dia com um anti-séptico e evitar comidas gordurosas, cigarro, álcool e frutos do mar durante a cicatrização.

"A cicatrização varia de pessoa para pessoa, mas dura no mínimo dois meses. No umbigo, pode levar até um ano", conta Bianca, lembrando que o material do piercing é anti-alérgico, normalmente aço cirúrgico, titânio, ouro branco ou ouro 18k.

No entanto, independente do local ou do material utilizado, é normal ocorrer coceira, secreções, vermelhidão e inchaço ."Esses hematomas podem ocorrer por algumas semanas, mas se a pessoa tomar os devidos cuidados, isso passa. É normal ocorrer esses problemas na fase de cicatrização", explica a especialista Bianca.

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente

Últimas