Acabe com o efeito sanfona

Estudo afirma que o efeito sanfona pode ser controlado com terapia

Dieta do controle emocional

Para as mulheres que sofrem com o efeito sanfona e não aguentam mais viver de dieta, talvez não seja o seu corpo que precisa passar por um controle, mas sim o seu cérebro. Um estudo divulgado pela Universidade Swansea, no Reino Unido, afirma que a psicologia pode ser um excelente aliado para os pacientes que sofrem o efeito sanfona e sobrepeso. Para chegar a essa conclusão, pacientes com problemas de peso foram divididos em dois grupos aleatórios: o primeiro com uma dieta balanceada e atividade física, enquanto o segundo grupo seguiu a mesma dieta combinadas à palestras com psicoterapeutas. Ao final da pesquisa observou-se que os pacientes que haviam recebido algum suporte emocional conseguiram emagrecer muito mais do que aqueles que frearam o consumo de alimento e suaram a camisa.

De acordo com Katy Tapper, psicóloga chefe da pesquisa, o estudo tinha como objetivo descobrir se a terapia da aceitação e compromisso, conhecida como ACT em inglês, é eficaz no tratamento de obesidade, uma vez que ela parte da premissa que a maioria das pessoas que brigam com a balança possuem um alto grau de ansiedade, o que faz com que elas comam compulsivamente para tentar suprir uma necessidade emocional. Então, partindo desse ponto, a médica propôs a combinação de atividades terapêuticas junto aos processos de emagrecimento a fim de incentivar os pacientes a trabalhar com as emoções de derrota, ansiedade, frustação e até mesmo a autodepreciação, uma vez que essa é a única forma de romper o ciclo vicioso da compensação. Sabe aquele pensamento: ‘hoje eu tive um dia péssimo, por isso mereço um chocolate’, ele está errado. Comer uma caixa de bombom não vai ajudar você a solucionar os problemas ou enxergá-los com mais clareza.

Precisamos comer para nossa fome e não para nosso desejo de comer, e muitas vezes a comida entra como conforto, para amenizar angústia, ansiedade, tristeza, ou mesmo como recompensa para o cansaço e estresse. E como comer é para toda vida, equilibrar as emoções e a alimentação é a chave do sucesso para quem quer emagrecer ou manter o peso. A psicóloga Luciana Kotaka explica que muitas pessoas entram em um processo de auto-sabotagem contínua, impedindo a próprio perda peso. Por isso o acompanhamento psicológico durante o regime é muito importante.

"Quando solicitamos o diário alimentar e emocional, detectamos várias situações das quais os pacientes se esquecem de tomar as fitoterapias que a nutricionista prescreveu, ou mesmo, cadê a fruta, a barrinha de cereal que deveria estar na bolsa, na gaveta do escritório que trabalha? Ouvimos um ‘esqueci’ ou um ‘não deu tempo de comprar’, e assim vamos mostrando e definindo estratégias para não alimentar o lado sabotador que sustenta o corpo mais gordinho e ainda desvendar o papel que a comida tem em sua vida para que, desta forma, possa realmente ter um desejo real de perder peso e fazer com que isso aconteça efetivamente", concluí a psicóloga.

Por Paula Perdiz

Comente

Últimas