Comida e fome: isto pode dar uma grande salada!

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+
Comida e fome isto pode dar uma grande salada

Salada, salada, salada...

Quando escrevo a palavra SALADA, imediatamente me vem a imagem de um prato coloridíssimo, generoso na quantidade, mas nada tão entusiasmante a ponto de lembrar o aroma e começar a salivar.

Vejo uma profusão de vegetais, legumes e uma certa confusão na disposição e arrumação destes ingredientes.

Tudo meio misturado e bagunçado, como se fosse uma grande confusão de formatos e sabores.

E ainda por cima, frio. Diante deste quadro é praticamente impossível se seduzir e se deixar levar pelos benefícios desta refeição.

Variação sobre o mesmo tema: nuanças de cores dominantemente verdes e a sensação de que a fome não será saciada.

Lá atrás, em nossa infância... ai da criança que ousasse comer apenas salada. As mães mais atentas e zelosas sempre se preocuparam com este tipo de alimento nas refeições dos filhos, mas se estes não quisessem comer, não teria tanto problema.

Problema seria se não comessem a comida quentinha e gostosinha. E o que é pior: nada de colocar comida no prato e não comer tudo...

Então, a salada tem um referencial meramente nutritivo e zeloso, mas não é, nem de longe a principal e verdadeira refeição. É a entrada. Comissão de frente para aquilo que ainda virá.

Isto foi instalado e registrado por nossa memória. Como então mudar o diretório? Como fazer nosso organismo entender que no momento esta é a refeição principal e mais do que necessária e saudável: é fundamental para o sucesso?

Como enganar a memória do "estômago"? Sim, por que de alguma maneira ela deve existir...

Não é tarefa fácil e, portanto requer algum domínio e uma certa habilidade criativa. Em primeiro lugar, não fique preso a convenções infantis. Quando você era criança, estava em fase de crescimento e, portanto precisava se alimentar substancialmente.

Guarde com carinho, na sua lembrança, todo excesso de zelo e preocupação daqueles que foram os responsáveis, diretos ou indiretos, por você ter conseguido chegar com saúde aos dias de hoje.

Quando estiver à frente de um prato de salada, tenha o cuidado de compô-lo da maneira mais bonita que puder. Distribua as folhagens picando-as e arrumando-as organizadamente e não de qualquer jeito.

Ornamente com legumes coloridos e dispostos harmoniosamente no prato. O estímulo visual é capaz de aguçar o mais sisudo dos paladares.

Coma devagar, saboreando cada item. Mastigue o máximo que conseguir e só depois, engula. A sensação será de puro deleite.

Não coma como se estivesse sendo conduzido ao pelourinho, desdenhando, reclamando da sorte e mal dizendo a santa terra que foi capaz de lhe oferecer o que há de mais natural e saudável.

Respeite o momento desta refeição e não se aborreça com o que deixou de comer. Lembre-se que está resgatando sua auto-estima e que talvez não a encontre em pratos com maior poder de sedução...

As saladas fizeram, fazem e farão parte da sua vida. Não importa qual seja o momento e a finalidade.

Salada também é comida e, portanto capaz de saciar a fome. E muito bem!

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente

Assuntos relacionados: psicologia salada prato principal

Últimas