Como anda a sua listinha de resoluções?

Para quem fez mil e um planos para o novo ano, esse é o momento ideal para rever suas escolhas

Como anda a sua listinha de resoluções

Nós já estamos no meio do ano e você ainda não cumpriu nem um terço da sua lista de resolução para o ano? Pois é, temos essa mania de nos ‘auto-impor’ objetivos e limites que, muitas vezes, sabemos não fazer parte do nosso cotidiano. Ok, mudar apesar de bom é difícil, mas ficar se colocando em situações frustrantes é no mínimo controverso. Ou seja, listas de resoluções não ajudam ninguém, muito pelo contrário, elas só aumentam a sensação de fracasso, o que não é lá muito legal.

Se você anda incomodado com o fato de não ter riscado um só item da famigerada listinha de resoluções, então responda: será que a solução para todos os problemas podem estar em um pedaço de papel? Se sim, está na hora de você se perguntar qual o motivo que te faz andar em contramão à sua felicidade ao invés de se prender a ideias que (talvez) nem representem mais os seus anseios.

Para aqueles que andam meio cabisbaixo por conta disso, saiba que você não está sozinho. De acordo com a coach comportamental Lygya Maya, oito em cada dez pessoas não cumprem as tais promessas de fim de ano, como parar de fumar, emagrecer, arranjar um novo emprego ou mudar algum tipo de hábito nocivo, a maior parte delas desiste no meio do caminho. Pior do que isso, um terço das pessoas não mantém suas resoluções nem mesmo até o fim de janeiro.

Ainda segundo a especialista, isso acontece porque na distração diária e em meio a constante demanda em que vivemos, muitas vezes negligenciamos o que sabemos e acabamos nos contentando com resoluções ao invés de resultados. "Esta é uma atitude especialmente negativa quando se trata de tentarmos criar um estilo de vida mais saudável e bem sucedido, pois, inconscientemente, estamos sabotando nossa própria felicidade", afirma a coach.

Antes de mais nada é preciso entender que somos seres em constante transformação e que os objetivos de hoje não têm nada a ver com os desejos de ontem e os sonhos de amanhã; rasgue a listinha e prenda-se ao agora. Para quem não quer correr o risco de se decepcionar mais uma vez, Lygya explica que é preciso ter uma coisa em mente: "Resoluções exigem apenas palavras. Resultados exigem AÇÃO".

Agora, se as resoluções tem se tornado mais frequentes do que as soluções, a especialista lista abaixo os principais motivos que levam as pessoas a desistir das mudanças ou estacionar em seus objetivos.

Crença de que tudo pode dar errado - não somos otimistas o bastante ou não percebermos que também é possível aprender com os erros;

Falta de autoestima e de acreditar em si mesmo - ao nos compararmos muito aos outros, podemos nos sentir inferiores;

Medo de ficar sem dinheiro, de gastar muito - neste caso pode haver uma dificuldade em organizar gastos;

Dificuldade de comunicação - achar que os outros não nos entendem;

Insatisfação com pequenas conquistas do dia a dia - pensar que tudo tem que ser sempre melhor;

Sensação de que não temos tempo para nos arriscar - a rotina nos deixa muito atarefados e o excesso de atividades pode ser uma fuga de outros problemas;

Lembranças do passado - desânimo por saber que nada será como antes;

Dificuldade em reconhecer ou visualizar reais necessidades - desenvolver o autoconhecimento e o amor próprio é a melhor maneira de garantir a felicidade e conquistas ilimitadas de sucessos e realizações.

Por Paula Perdiz

Comente

Últimas