Como interpretar o que as pessoas nos dizem?

Veja porque muitas vezes nos equivocamos e acabamos não interpretando corretamente o que o outro realmente tem a dizer
  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+
Como interpretar o que as pessoas nos dizem?

Foto: iStock / Squaredpixels

interpretação é extremamente subjetiva, pois cada pessoa entende as coisas à sua maneira, o que acaba influenciando diretamente no jeito como o indivíduo encara sua vida. Não raro, ouvimos alguém dizer que “ficou chateado com o que tal pessoa disse”. Mas, será mesmo que o aquilo que o outro quis dizer era para ofender ou magoar?

Esse jeito de lidar com as situações também reflete em como nos relacionamos com as pessoas ao nosso redor. Isso significa que, se você não está num bom dia, acordou um pouco mal humorado, pode ser que interprete uma orientação do seu supervisor erroneamente. 

Você já tende a pensar que “eu só faço tudo errado mesmo”, “se ele está vindo falar sobre isso é porque está decepcionado com meu desempenho”. Ou mesmo aquele dia que você está muito bem humorado: a mesma orientação, desse mesmo supervisor, pode lhe fazer entender que “nossa, que bom, é uma oportunidade para eu melhorar meu desempenho”.

Sendo assim, a forma como enxergamos uma situação ou uma pessoa depende muito de como interpretamos o que lemos e ouvimos. Não existe fórmula para aprender a interpretar com “neutralidade” o que alguém nos diz, mas é possível manter um equilíbrio entre o que o outro nos diz e o que entendemos.

Algumas dicas são: 

- Se o que o outro lhe disse causou dúvidas ou mesmo um desconforto, seja honesto, abra o jogo. Diga o que lhe incomodou e dê a oportunidade dessa pessoa se retratar;

- Se você identificou que não está num bom dia e que tudo parece estar desconfortável, se alguém lhe disser algo que causou incômodo, respire fundo e deixe para pensar sobre isso no dia seguinte: você pode perceber que era tudo coisa da sua cabeça!

- Se alguém falou algo de forma que você considerou “misteriosa”, como se tivesse algo por trás daquilo, reflita se vale a pena “mandar a real” ou se é melhor deixar tudo como está para não sair como a (o) desconfiada (o) da história.

Tente o máximo que puder se manter calmo e sereno: assim você conseguirá fazer inúmeras interpretações e optar por aquela que lhe deixará melhor. 

Thaiana F. Brotto - www.psicologospaulista.com.br

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente

Assuntos relacionados: bem estar comportamento

Últimas