"Dê e receba o melhor presente: amor"

Dê e receba o melhor presente amor

Mais um Natal se aproxima, mas aparentemente o entusiasmo pela comemoração da data parece ter diminuído. Há pouco dinheiro, poucas perspectivas de melhora, as pessoas estão angustiadas, nada que lembre o tradicional espírito natalino. Embora seja impossível ficar indiferente ao Natal, cada pessoa reage de uma forma diferente neste período do ano.

Alguns ficam tristes, recordando a união familiar do passado ou relembrando sonhos que não se concretizaram. Outros não se contêm e festejam encantados, como se reconquistando a infância. Outros ainda, pela tristeza ou pela alegria incontidas, acabam se alienando de tudo. Mas, ainda assim, os sonhos, desejos, fantasias e esperanças não envelhecem e parecem se renovar ainda mais no Natal.

Desde a história bíblica da estrela que brilhou no céu de Belém anunciando o nascimento de um Menino, o 25 de dezembro (apesar da data de seu nascimento não ser essa) tem o condão de colocar o homem em contato com o sentimento de humanidade, jamais deixando de comemorar este fato singular.

Independentemente da religião da pessoa, associada à lenda pagã de Papai Noel, o Natal tem o significado de resgate da infância, de reencontro com os sonhos, desejos, fantasias e esperanças. As crianças são as que mais anseiam pelo Natal. Para elas, significa conto de fadas, uma noite de sonhos, de realização dos desejos, casa enfeitada, presentes na árvore.

Devemos preservar o mundo mágico das crianças que ainda esperam o bom velhinho de barbas brancas, botas pretas, roupas e capuz vermelhos. Seria ótimo se todos nós lembrássemos da criança que existe dentro de cada um e que também deseja festejar e acreditar.

A época é propícia para se estar perto de quem se ama verdadeiramente, fugindo dos tradicionais convencionalismos que geram hipocrisia. Em função de lembranças passadas, muitos, ao invés de comemorar com os amigos ou em família, preferem fechar-se consigo mesmos e suas lembranças do passado, ainda que doloridas ou alegres, tornam-se inevitavelmente presentes.

Pode-se até negar, mas todos nós ficamos mais sensíveis nessa época e a nostalgia parece reinar, tomando conta de todo nosso ser. Em alguns, a tristeza aparece mais intensa, as lágrimas caem sem controle, a saudade daqueles que não estão mais ao nosso lado aperta e dói. Às vezes, muito.

Para quem perdeu pessoas queridas, é um período difícil de atravessar. Mas, se ficar triste, é melhor não fugir. Sinta essa dor, só não deixe que ela permaneça. Procure aprender a conviver com a saudade que machuca, mas também traz boas recordações. Neste momento o importante é a presença marcante de cada uma dessas pessoas dentro de nossos corações, mas sem deixar de valorizar os que nos são caros e estão ao nosso lado.

Por mais triste que você possa estar se sentindo, não pode desistir da caminhada, que por vezes pode lhe reservar obstáculos, mas é sua e, por si só, motivo de viver. É também um momento para que as pessoas pensem melhor e compreendam o passado, desfazendo mal-entendidos e perdoando. Não porque é Natal, mas por que isso deve ser feito vez ou outra. Entenda que já passou e pode parar de doer se você for capaz de perdoar.

Neste momento devemos resgatar o real significado do Natal: o nascimento. Isto, no entanto, significa simbolicamente um nascimento interior, sendo capaz de valorizar suas conquistas internas e as dificuldades superadas. Presentear alguém também tem um valor simbólico, mas esse parece que foi perdido, pois presentes são recebidos todos os dias e nem sequer percebemos, como o sorriso de uma criança que passa por nós, a brisa suave que nos toca o rosto, o sol que nos aquece, o brilho da lua na escuridão do céu, o sono tranqüilo que descansa, o carinho daqueles que amamos e muitos outros que passam despercebidos.

É preciso recuperar a capacidade que há em todos de dar, não um presente que o dinheiro pode comprar, mas daqueles que só o coração permite doar: amor, carinho, afeto, amizade, compreensão. Muitos pais e amigos muitas vezes não têm como seguir a tradição de dar presentes, por estarem em dificuldades financeiras. Se for seu caso, não se culpe por isso.

Tranquilize-se, pois no íntimo de todos, o presente mais desejado e mais bem recebido ainda é um só. E só podemos dá-lo a pessoas realmente especiais, capazes de recebê-lo como tal, principalmente você. Por isso, aproveite a magia da noite de Natal e permita acima de tudo presentear com o maior dos presentes: amor!

E em nome deste amor, que tal um brinde? Uma regra: desta vez não brinde apenas com uma taça de champanhe, mas com o coração. E brinde primeiro a pessoa mais importante do mundo: VOCÊ!

Comente

Assuntos relacionados: psicologia amor natal amigos carinho dinheiro afeto

Últimas