É Natal!

É Natal

Dezembro é o mês que marca o início do inverno no hemisfério norte. É quando a natureza adormece. A estação representa o começo de um novo ciclo e a preparação para o posterior renascimento na primavera

Abaixo da linha do Equador acontece o contrário. O sol brilha com sua intensidade máxima, trazendo energia, mudando a rotina, despindo os corpos. É nesse clima que saímos às compras para presentear pessoas queridas, participamos de jantares e almoços de confraternização e os estudantes entram em férias.

Uma data tão festiva e cheia de magia como o Natal deveria representar a alegria de viver, a união da família e a renovação de votos de amor a todos que estimamos.

Nesses dias, lembranças do passado podem trazer recordações, boas ou não. Se as lembranças são boas, as ações de preparar a casa, comprar os presentes, reunir-se com familiares e amigos, escolher o cardápio, serão realizadas com alegria e vão deixar felizes recordações. Se as lembranças são ruins, essas atividades poderão ser sentidas como uma cansativa obrigação.

Fobias, ansiedade, pânico e medo podem estar associados a datas comemorativas. Isso ocorre no momento em que essas datas perdem o seu real significado e passam a representar a história pessoal e emocional do indivíduo.

As festividades são percebidas como traumáticas e a pessoa tende a evitá-las, sempre que possível. Além disso, o Natal representa a aproximação do final do ano, sendo o momento para avaliar conquistas e planejar os próximos desafios. Aqueles que não conseguiram realizar seus desejos e objetivos confrontam-se com a falta de sucesso, o fracasso e a frustração. Difícil comemorar.

Muitas famílias se encontram poucas vezes durante o ano e se reúnem no Natal. Em alguns casos as pessoas descobrem que possuem pouca afinidade e poucos interesses comuns, e a espontaneidade não existe mais. A família se encontra reunida mas não unida. Tanto na convivência diária, como numa festa comemorativa, são necessárias certas concessões para possibilitar bons momentos compartilhados. Quando a família é unida e há paz e harmonia dentro dela, a festa de Natal refletirá o prazer dessa convivência.

O desejo de ostentar o que não temos, ou o que não somos, é como uma árvore de natal com enfeites excessivos, que deixa de cumprir sua função e que não se integra ao ambiente.

Um Natal feliz é aquele possível, não necessariamente o dos nossos sonhos. Vale muito um sorriso sincero, um abraço espontâneo, e presentes que demonstram atenção e carinho mais do que poder e dinheiro.

Em todas as datas comemorativas, como em todos os dias do ano, as pessoas possuem defeitos e qualidades. Aproveitando essas datas para refletir e acalmar nossas mentes e corações, poderemos renovar esperanças, conseguir forças para seguir em frente e conquistar os objetivos almejados. Ainda mais no Natal, que é a comemoração da vida, do amor e da união entre as pessoas.

Comente

Assuntos relacionados: psicologia família natal dezembro paz

Últimas