Mais uma grande notícia médica

Mais uma grande notícia médica

Vem aí o hormônio da saciedade!

Uma pesquisa americana detectou uma substância no pâncreas que inibe a fome. Seu nome: PYY.

Como estes estudos estão em evolução, não se sabe ainda se existem efeitos colaterais e, tão pouco quais os efeitos medicamentosos deste novo e promissor medicamento a médio ou longo prazo.

Mais uma vez a medicina e a indústria farmacêutica buscam nos remédios a grande salvação. Esta é uma grande notícia, pois demonstra interesse da comunidade médica com o que é uma preocupação mundial de estatísticas alarmantes: a obesidade. Entretanto, sabemos que as pesquisas, bem como o desenvolvimento de medicamentos, envolvem milhões de dólares e é provável que tenhamos esta pílula somente daqui a algumas décadas. Nenhuma indústria farmacêutica irá se aventurar a gastos astronômicos a menos que haja retorno em seus investimentos. Não que os medicamentos sejam fonte de resposta adequada e única mas são, sem dúvida, um alento.

Nem é preciso mencionar que a grande "sacada" é a mudança dos hábitos alimentares e, principalmente, do comportamento como um todo. Mudar de atitude, de postura. Direcionar o paladar, controlar a fome, a ansiedade, ter uma atividade física... Enfim, mudar tudo que não está adequado e que está conduzindo a uma infelicidade com o corpo e com o peso. Um medicamento não é a solução e nem, tão pouco, o milagre que proporcionará tal mudança. Na verdade, o medicamento, que na língua portuguesa também é chamado de remédio, apenas remediaria uma situação. Funcionando mais ou menos como uma muleta que, em determinados casos, tem sua indicação.

Há muita polêmica envolvendo o uso de medicamentos como coadjuvantes no emagrecimento, isto porque necessitamos ainda de mais informações e estudos na área. Tenho certeza de que muitos dos que leram a matéria ficaram entusiasmados com a idéia. Não vêem a hora de que este remédio mágico alcance as prateleiras das farmácias...

Não sei ao certo se isto é bom ou ruim. Só sei que, desde que trabalho com obesidade, muitos foram os medicamentos lançados e nenhum, sem exceção, teve ou tem o poder de "curar" a gordura. Por isso, nada de ficar esperando mais um grande milagre químico. A conscientização, a determinação, a força de vontade, o resgate da auto-estima e a valorização do querer são ainda as grandes molas propulsoras do emagrecimento. Estes ingredientes, não são passíveis de estudo em nenhuma universidade nem de nenhuma empresa farmacêutica. Não está em desenvolvimento nenhum remédio para "potencializar" o que é inerente e verdadeiro. Infelizmente...

Comente

Assuntos relacionados: psicologia saciedade hormônio pyy

Últimas