O que é ansiedade?

O que é ansiedade

Mais uma vez escreverei sobre a ansiedade. Ela continua a ser a mais terrível e temida inimiga da reeducação alimentar.

A maioria dos e-mails que recebo se refere a esta "senhora" como sendo o maior obstáculo para o sucesso de um processo de eliminação de peso. É sem dúvida, a "inimiga pública número 1".

Como existem muitas dúvidas a respeito desta estranha sensação, é necessário que se saiba um pouco mais sobre ela. Mas, ATENÇÃO! Não vale ler e não absorver. Cuidado com a ANSIEDADE...

Primeiramente, falarei sobre a Ansiedade Normal.

Existem alguns autores que denominam a nossa era como sendo a Era da Ansiedade. Com tanta turbulência, competitividade, dificuldades de relacionamento, consumismo desenfreado, atrocidades, discrepâncias sociais, injustiça, globalização e tantos outros agentes poderosos, seria praticamente impossível não ser contaminado por este acontecimento psíquico.

Para ser ansioso basta ser indivíduo e ter participação ativa na sociedade. Desde sempre a ansiedade é companheira inseparável do homem. No tempo do homem das cavernas, era um sinalizador de alerta frente a um perigo iminente e real. Através deste sinalizador, este homem primitivo podia enfrentar ou fugir de um animal selvagem.

O sentimento de medo, outro fiel aliado presente nos momentos de tensão, é mais uma característica da ANSIEDADE. Ao deparar-se com ursos enormes o homem das cavernas tinha, com certeza, uma grande descarga de adrenalina e sentia a necessidade de resolver logo a situação. Estava sobre uma situação de estresse e sentia medo. Certos sentimentos determinados pelo perigo, pela ameaça, pelo desconhecido e pela perspectiva de sofrimento fazem parte da natureza humana. Preocupação com a caça, com a mulher, com a sobrevivência estavam presentes em sua vida, mas a atitude era muito mais instintiva e menos elaborada. Problemas existiam, mas a capacitação da resolução era o que definiria sua existência. A ANSIEDADE era o principal instrumento de adaptação às exigências da vida, portanto, era positivo ser ansioso.

A ANSIEDADE, observada por este prisma, é um sinal de alerta que adverte o perigo iminente e capacita para medidas eficientes; quando ansioso este homem se colocava em posição de alarme, tanto física como psiquicamente (dilatação das pupilas, aceleração do coração, dilatação dos brônquios e musculatura enrijecida). Pronto para o ataque ou para a defesa. Pronto para enfrentar a vida...

A ANSIEDADE passou a ser classificada e estudada como objeto de distúrbios quando o homem deixou de usá-la como instrumento de sobrevivência e passou a atribuir significados altamente complexos às suas sensações. O homem deixou de apenas sobreviver e passou a querer entender sua existência. Foi aprimorando sua inteligência, capacitação, adaptação ao meio, comunicação e foi tornando-se cada vez mais confuso quanto suas atitudes. Quanto mais confuso, mais conflitos. Quanto mais conflitos, mais estresse... E assim o stress passou a ser o representante legal e emocional da ANSIEDADE.

Então, a ANSIEDADE, não é este bicho papão que acaba com os sonhos e perspectivas positivas do ser humano. Ela demonstra claramente a evolução humana e pode ser classificada em níveis como o "neuroendócrino" que diz respeito aos efeitos da adrenalina, noradrenalina e cortisona; o "visceral" onde ocorrem efeitos musculares e na "consciência", pela constatação das sensações fisiológicas da sudorese, palpitação, inquietação e conscientização do nervosismo e amedrontamento.

Conclusão: de uma maneira ou outra, somos todos ANSIOSOS. Ansiosos Normais. E isto é muito bom!

Para a próxima semana a Ansiedade Patológica. Aguardem.

Comente

Assuntos relacionados: psicologia ansiedade nervosismo

Últimas