Outros riscos da obesidade

Outros riscos da obesidade

É preciso entender que a obesidade é uma doença e traz muitos malefícios à sua saúde. Abandone este ritmo de vida agora mesmo! Ainda comentando os riscos da obesidade, temos mais considerações sobre esse mal que vem acometendo milhões de brasileiros e brasileiras. Está claro nas estatísticas que as mulheres são em maior número do que os homens no tocante ao excesso de peso.

Temos também que as doenças associadas à obesidade elevam os gastos médicos mensais de uma pessoa em até 36%. Ora, se estamos num país em que as atenções estão voltadas para a Fome Zero, deveríamos nos preocupar também com o excesso de alimentação e o conteúdo dessa alimentação.

Voltando aos riscos da obesidade, no Livro dos Recordes, o "Guiness Book", as pessoas consideradas mais pesadas do mundo não passaram de 40 anos de idade. A razão é que a obesidade aumenta demais a chance de morte em decorrência de sua associação às doenças cardiovasculares, pulmonares, metabólicas etc.

Uma pesquisa interessante revelou que a obesidade aumenta o risco do segundo enfarte do miocárdio nos obesos em 49%. Se a obesidade é mórbida esse risco atinge a 80% de aumento de risco do segundo enfarte.

Por essa razão é que médicos cirurgiões cardíacos e cardiologistas clínicos insistem no emagrecimento de pessoas que fizeram cirurgia de revascularização do miocárdio ou de obesos.

Quem teve infarto ou outro problema cardíaco deve preocupar-se mais com sua saúde. Será que após um desgaste desses ainda não aprende que o estilo de vida utilizado até então não é compatível com a qualidade de vida?

Costumo dizer em palestras que quando vejo em minha cidade um casal de casados caminhando de mãos dadas é praticamente certo que o homem teve infarto do coração. Sua esposa caminha junto para dar-lhe força e até pega na mão, coisa que já não fazia há anos. Acontece que essa prática dura apenas um mês. Daí ela pára de caminhar junto e ele pára após outro mês. Se ele for obeso, o segundo infarto vem logo em seguida, não tarda muito.

É lógico que outros fatores influem para o aparecimento desse segundo infarto: fumo, bebida alcoólica, estresse, raiva, obesidade, alimentação, hipercolesterolemia, taxa de triglicérides elevada, hipertensão arterial e outros.

Tenho acompanhado em consultório pacientes que sofreram vários tipos de cirurgia do coração e relutam para desenvolver um estilo de vida diferente do anterior à cirurgia. Os que aderem vivem mais e melhor. Os outros...

Quem estiver nessa situação que pense melhor.

Aguardo perguntas e sugestões.

Comente

Últimas