Saudade engorda?

Saudade engorda

Será? Como isto é possível?

São muitos os relatos de pessoas que foram morar em outras localidades e aumentaram o peso. Este tipo de discurso é muito comum entre jovens que fazem intercâmbio.

Tudo é diferente. As pessoas são diferentes, a casa ou alojamento, tudo é novidade. A princípio, uma euforia natural e uma sensação de "férias".

Passado o primeiro impacto do novo, das surpresas, a vida vai entrando num ritmo que será pouco a pouco assimilado pela própria pessoa e por aqueles que farão parte deste momento tão especial na vida de todos.

Com certeza a adaptação ao novo idioma, cultura, família e atividades são muito difíceis, mas pela exigência e excelência que o momento pede há uma conspiração favorável para que tudo se organize e a vida possa transcorrer saudavelmente.

Tudo vai muito bem. Uma dor de garganta, um resfriado, uma dor nas costas são sintomas perfeitamente contornáveis e nada que sugira algo mais sério ou grave. Muitas mães aflitas e afoitas são poupadas destes pequenos contratempos...

E por falar em mães a preocupação telefônica número 1: "Você está se alimentando bem?".

Basta esta singela pergunta maternal para que os filhos também aflitos e afoitos se segurem nos choros e respondam laconicamente: "Tô mãe, tô mãe...".

Geralmente os hábitos alimentares dos países são muito diferentes, mas são facilmente incorporados. E aí é que começam os problemas com o peso...

Para que a adaptação seja a mais tranqüila possível, quem recebe quer agradar e quem é agradado quer retribuir. Tanto no mundo Ocidental como no Oriental uma das maneiras de se demonstrar afeto, carinho, é através da comida, então como negar ou rejeitar uma atitude tão simpática e altamente calorosa?

Simplesmente é impossível.

Com isto comer fica sendo o termômetro para aferição da satisfação. Ocorre que os afetos e mimos são transformados em muitas e muitas calorias e o que se verá no final desta história são ganhos e ganhos de quilos.

Um estudo americano feito junto a estudantes latinos demonstrou que 80% dos jovens que se submeteram ao intercâmbio cultural engordaram em média 1 quilo por mês. Além de associar estes números às mudanças da vida (adaptação aos hábitos sociais, culturais, políticos, históricos, bem como ao clima e geografia), ele afirma que estes mesmos jovens sofrem de uma doença que é comum: SAUDADE.

Relaciona nostalgia, melancolia ao aumento de peso, pois na ânsia de suprir o afeto familiar, a comida é o principal e o primeiro substituto. Este mesmo estudo coloca os latinos no topo desta pirâmide, pois atestam ser estes os povos mais afetivos e calorosos.

Entre brasileiros este número é ainda maior, pois existe uma palavra específica para se exprimir tal sentimento...

Por tudo isto, não é ousado e nem tão pouco leviano dizer que SAUDADE engorda sim.

Comente

Últimas