Sensibilidade + amor = mulher

Sensibilidade  amor  mulher

Dia 8 comemorou-se o Dia Internacional da Mulher

Em muitos os lugares houve comemorações, festas, homenagens, mas será que apesar das grandes conquistas é isso o que representa, o que se passa dentro de cada mulher?

Infelizmente ainda há a crença em muitas, que beleza é fundamental, como dizia o poeta Vinícius de Moraes, e fazem de tudo para conquistar seja um trabalho, promoção, ou um relacionamento afetivo, com o corpo e a sedução.

Mas, felizmente, também há muitas mulheres que sabem reconhecer seu valor e sabem que a beleza externa passa com o tempo e o que conta mesmo é o que há dentro de cada uma, coisas simples como força, coragem, garra, luta e principalmente, a sensibilidade e a capacidade de doar amor.

Um corpo bonito pode conquistar um trabalho ou alguém, mas não basta para manter absolutamente nada, a não ser relações superficiais e por um tempo muito curto. Recebo diariamente no consultório mulheres bonitas, inteligentes, realizadas profissionalmente, mas, no íntimo, infelizes, insatisfeitas, doentes. Questiono o motivo de tantos desencontros, tristezas e lágrimas e percebo que as emoções sempre são a origem dos conflitos internos e das brigas.

É mais do que certo que realização profissional e conquistas materiais não são suficientes para fazer alguém feliz. A emoção sobrepõe-se a todas as outras conquistas. Ainda buscamos uma relação saudável, um companheiro para dividir cada momento da vida, alguém para trocar, acima de tudo, amor.

Cada vez mais os homens parecem contaminados pela educação machista, de que não choram, não demonstram, negam cada vez mais o que sentem e com medo, inconsciente claro, fogem. Fogem da entrega, do amor. E com isso, homens e mulheres, perdem. Perdem a oportunidade de crescerem e, mais ainda, de serem amados.

Algumas mulheres podem dizer que isso não acontece com elas, são realizadas, tiveram seus filhos, um bom emprego ou negócio próprio. Mas, será que são felizes em sua relação afetiva? São correspondidas em seu amor? Devemos lembrar, que muitas vezes a imagem de alguém independente, livre, pode ser apenas superficial para proteger um lado emocional fragilizado e machucado.

Quantas mulheres desejam o divórcio mas não têm coragem de pedí-lo? Quantas são as que amam e não se sentem amadas? Quantas se sentem sozinhas mesmo acompanhadas? Quantas estão sós e buscam alguém que as amem? Ou ainda, simples mulheres donas de casa, que abriram mão de sua própria vida para cuidar da casa, dos filhos, dos pais, marido e não são sequer reconhecidas? Parece que somos capazes de cuidar de tudo, mas neste tudo, parece que esquecemos muitas vezes, de cuidar de nós mesmas. Por que fugir do desafio de cuidar de si mesma?

Na verdade, o que explica muitos dos conflitos e que reflete diretamente nos relacionamentos, é a busca de querer ser cuidada, protegida, ainda que inconscientemente. Alguém pode dizer: "eu não!" Você sim. Qual o erro em querer um relacionamento baseado no companheirismo, amizade, cumplicidade, troca e, acima de tudo, baseado no amor?

Qual o erro em querer alguém que se preocupe com você tanto quanto você se preocupa? Que lhe dê atenção, carinho, afeto? Quem não gosta de poder contar com um abraço, um colo, depois de um dia difícil? Não há mal nenhum nisso, seja homem ou mulher. O que precisamos é sermos coerentes com aquilo que sentimos e demonstramos, do contrário viveremos em conflito, não só com o outro, mas com nós mesmas.

O que leva a verdadeira independência não é só ser capaz de se manter financeiramente, mas, principalmente, ser capaz de enfrentar os medos, os desejos, de ser consciente do que sente e acreditar que é possível encontrar alguém que valorize tudo aquilo que você doa sem que seja pedido.

Alguém que saiba reconhecer que além de um corpo ou rosto bonito, existe um ser humano com sentimentos, que chora, reclama, pede, espera, mas também acolhe, cuida, torce e deseja acima de tudo, troca. Afinal, somos capazes de parar seja o que for e lembrarmos de dar um telefonema só para que o outro se sinta importante. Somos capazes de, mesmo cansadas, lembrar de dar um abraço e perguntar como foi o dia, mesmo que o próprio tenha sido péssimo. É, somos capazes, acima de tudo, de amarmos.

Por isso e muito mais é que temos que continuar demonstrando o que sentimos, sem negações, fugas ou culpas. Quando acreditarmos em nós mesmas não permitiremos mais sonhos vazios, relações doentes, falta de respeito e amor. Nesse momento seremos capazes de nos amarmos e estaremos finalmente livres para amar e ser amada. Enfim, sermos felizes!

Comente

Últimas