Será que esse vazio não é a falta de amor-próprio?

Será que esse vazio não é a falta de amorpróprio

Pessoas que freqüentemente brigam com a balança pela expectativa de ver o peso mais baixo, na verdade estão refletindo uma briga interna, muito mais profunda do que imagina, mesmo que isso já dure há muitos anos.

Segundo a Organização Mundial de Saúde a obesidade é uma doença e deve ser tratada com a seriedade que merece. No campo da Psicossomática entendemos que a doença é m reflexo de um conflito interno, relacionado com as emoções, que por algum motivo, consciente ou inconscientemente, foram reprimidos com o intuito de evitar alguma dor.  

Podemos perceber que muitas pessoas adoecem por não se amar, em conseqüência, desejam desesperadamente o amor dos outros. Como nem sempre conseguem suprir essa necessidade, sentem um vazio enorme dentro de si, o qual buscam preencher com comida. Em alguns idiomas as palavras vazio e doença são muito parecidas. Quanta coincidência, não? Como sabemos que

nada acontece por acaso é interessante perceber quantas relações podemos fazer com base nessas informações.

Mas como esse vazio não é de comida, mas geralmente a necessidade é de amor, o vazio permanece e a busca pela comida aumenta cada vez mais. Surge então a doença. Mas com qual finalidade?

Para nos mostrar que algo não esta bem dentro de nós, mas que infelizmente muitas pessoas acreditam no contrário, ou seja, acreditam que a causa de sua infelicidade seja o excesso de peso, não aceitando que o excesso de peso é só um sinal de algum outro conflito, talvez um pouco mais profundo e difícil de ser identificado, mas não impossível.

Como nossa mente é muita sábia, está sempre em busca de um equilíbrio, e essa busca pode ser através da compensação. É como se nosso inconsciente pensasse assim: se não consigo preencher esse vazio com nada, buscarei preencher com comida. Mas por que comida? Não é só com comida, outras pessoas buscam preencher com drogas, álcool; outras com dinheiro, poder, trabalho, cada um tem sua própria fórmula, muitas vezes secreta para si mesma. É quando adoecemos como sinal de que devemos olhar profundamente para dentro de nós mesmas para encontrar a resposta que tanto buscamos.

Na ânsia por uma fórmula mágica, começa a busca por remédios, spas, qualquer coisa que faça acreditar que ainda é possível emagrecer. Mas ainda assim, fazendo de tudo, não consegue, e soma-se mais frustração. Para diminuir essa frustração, come mais um pouco. Percebe como se torna rapidamente uma bola de neve sem fim? Isso acontece quando se busca resolver por meio externos o que deve ser resolvido dentro de si. Nem sempre é fácil identificar e reconhecer as possíveis causas para o desenvolvimento da doença. Requer uma análise profunda do histórico de vida, que pode ser feito com o auxílio de um profissional, geralmente um psicólogo.

Quantas de nós, ainda crianças, aprendemos que comida é sinônimo de amor? E depois quando adultas, relacionamos sem perceber, o ato de comer como compensação pelo amor que não recebemos, nem dos outros e muito menos de nós mesmas. É muito difícil conseguir amar a nós mesmas quando dependemos da opinião das outras pessoas, do que pensam de nós, colocando nosso referencial de valor no externo. As pessoas em geral são críticas, perfeccionistas, exigentes, controladoras, invejosas, manipuladoras.

Como podemos esperar ser aprovadas e aceitas diante de características tão severas? E quantas outras pessoas fazem esse papel consigo próprias? É justo agir de forma tão drástica com quem no fundo só quer um pouco de amor? É, estou falando de sua relação consigo mesma. Há quanto tempo você não se faz um elogio? Não reconhece sua capacidade? Não se sente capaz de ir em frente, apesar dos obstáculos? Há quanto tempo não se olha no espelho sem se criticar? Talvez há muito tempo...

Não está na hora de se aceitar mais e se sentir capaz de mudar o que deseja? Será que sua maior dificuldade é eliminar peso ou será que há outras questões, quem sabe muito antigas e que você reprimiu e faz questão de esquecer?

Olhe, sem medo, para seu passado, sua vida. O que será que ficou mal resolvido ou fez com que se sentisse rejeitada, abandonada, sem valor, sentindo que não merece receber amor? Já pensou que sua vontade em comer mais e mais não pode ser para preencher algo que a comida não irá preencher? O que a comida poderá estar compensando? Isso só você mesma pode responder.

Reflita, analise, busque as respostas, quem sabe isso será a fórmula que tanto procura para eliminar seu peso.   

Comente

Assuntos relacionados: psicologia saúde vida amor próprio vazio passado

Últimas