Serotonina e sua relação com o consumo de doces

Serotonina e sua relação com o consumo de doces

O bebê que suga o leite materno recebe também o calor, o carinho, o afeto e o cheiro de quem o alimenta. A relação com os alimentos é capaz de revelar formas de interação da pessoa consigo mesma e com o mundo. No entanto, algumas vezes um desequilíbrio hormonal pode ser o grande vilão para o ganho ou perda de peso excessivos.

A serotonina é uma substância presente naturalmente no cérebro. Age como um neurotransmissor, isto é, permite a comunicação entre as células nervosas do cérebro, chamadas neurônios. Esta comunicação é fundamental para a percepção do ambiente e para acapacidade de resposta aos seus estímulos.

A serotonina desempenha um importante papel no sistema nervoso, com diversas funções, como a liberação de alguns hormônios, a regulação do sono, da temperatura corporal, do apetite, do humor, da atividade motora e das funções cognitivas. A serotonina pode melhorar o humor, causando uma sensação de bem-estar e sua falta tem sido relacionada a doenças graves, como mal de Parkinson, distonia neuromuscular e tremores. Pode causar também depressão, ansiedade, comportamento compulsivo, agressividade, problemas afetivos e aumento do desejo de ingerir doces e carboidratos.

Quando você estiver ansioso ou deprimido, observe se recorre a massas (pizza, lasanha, ravióli etc.) ou doces. Se houver falta de autocontrole, e em conseqüência você estiver sempre desejando ingerir carboidratos e doces, pode ser uma indicação de um desequilíbrio da taxa de serotonina no cérebro. O desejo por certos tipos de alimentos nem sempre está associado à busca de prazer e saciedade. Poderá evidenciar um desequilíbrio químico e exigir um tratamento.

Com taxas normais de serotonina, a pessoa atinge mais facilmente a saciedade e consegue maior controle sobre a ingestão de açúcares. Medicamentos que aumentam a taxa de serotonina são cada vez mais utilizados para emagrecer. A sibutramina e a fluoxetina, medicamentos antidepressivos, costumam proporcionar maior controle sobre o apetite, especialmente para doces. Alimentos ricos em proteínas, como carne bovina e de peru, peixe, leite e seus derivados, amendoim, tâmara, banana etc., contêm triptofano, um nutriente que ajuda a combater os efeitos da falta de serotonina.

Pesquisas científicas estão demonstrando a estreita relação entre o equilíbrio de nutrientes e as complexas reações cerebrais. Às vezes não basta uma mudança de hábitos alimentares e a prática de exercícios físicos para conseguir o emagrecimento, pois o desequilíbrio hormonal pode dificultar esse objetivo.

A avaliação de um médico especialista poderá esclarecer a necessidade, ou não, de algum medicamento que equilibre o funcionamento químico do cérebro. A fome e o prazer de comer podem induzir a erros de nutrição. Devemos nos alimentar conscientes de que podemos beneficiar ou prejudicar nossa saúde e nosso estilo de vida. A química cerebral agradece e contribui quando nossa alimentação é equilibrada e saudável.

Comente

Últimas