Técnicas para combater ansiedade e estresse

A prática exercícios aeróbicos ajuda no controle da ansiedade

Técnicas para combater ansiedade e estresse

Nos dias de hoje não há quem não corra contra o tempo. É pressa para enfrentar o trânsito e chegar no horário aos compromissos marcados, para dar conta de todas as tarefas no trabalho ou satisfazer a todas as necessidades da família. Começamos o dia ansiosos, querendo finalizar rapidamente todas as atividades. E chegamos em casa estressados, por conta do excesso de esforço e dos percalços que apareceram ao longo do caminho.

Para lidar com esses sentimentos que assolam a população moderna existem técnicas que nos obrigam a parar, respirar com calma e recarregar as energias. Uma delas é a atividade aeróbica. O personal trainer Robson Santos diz que práticas como pedalada, corrida e caminhada liberam endorfina, gerando uma sensação de bem-estar.

"O treino multifuncional, desde que a pessoa consiga se desligar do mundo externo, também traz esse mesmo resultado, pois exige alto poder de concentração", completa. O ideal é praticar as atividades de forma moderada pelo menos três vezes por semana, entre 30 minutos e uma hora.

A yoga é outra técnica muito usada para relaxamento. O professor de yoga do Centro de Bem-Estar Levitas, Sânio Gomes, explica que essa atividade introspectiva tem como finalidade unir corpo, mente, espírito e respiração. Além disso, é praticada num ambiente adequando, silencioso, harmonioso, com mantras e uma luz bem leve. "Esses fatores mantém a pessoa distante da poluição sonora do seu dia a dia, afastando-a do seu cotidiano."

No Hatha Yoga, por exemplo, os exercícios físicos são feitos de forma lenta e com muita permanência, tendo como prioridade a flexão de tronco (estando sentado ou de pé, mas mantendo a cabeça sempre em direção das pernas ou do chão). Esse movimento promove um estado de paz interior, sensação de bem-estar e alívio das tensões.

Sânio Gomes enumerou quatro exercícios que agem como chá, ou seja, acalmam as pessoas ansiosas: Pachimottanasana (a pessoa sentada com as pernas estendidas e o tronco flexionado tentando pegar os pés); Janu-shirshasana (a mesma que a anterior, mas apenas com uma das pernas estendidas); Halasana (pessoa fica deitada sobre o dorso com as pernas para traz da cabeça); e Sarvangasana (pessoa deitada sobre o dorso com as pernas elevadas e as mãos apoiadas sobre as costas).

Outra técnica lembrada pelo professor do Levitas é a meditação, feita com o auxílio de um profissional experiente na área. As dicas de Gomes são simples: sentar de forma bem confortável, sempre manter os joelhos na linha dos quadris (caso a pessoa não possa sentar com as pernas cruzadas utiliza-se uma cadeira e/ou mais de uma almofada).

"Comece com curtos períodos de meditação e vá aumentando ao longo do mês até chegar a um tempo ideal que pode ser de uma ou duas horas", orienta. "Não marque compromissos antes, nem durante e tão pouco depois, pois a mente não vai conseguir relaxar e você vai ficar com o pensamento preso nas tarefas", completa.

E que tal uma massagem? Se for nos pés, melhor ainda! Sânio explica que essa parte do corpo tem ligação com o sistema simpático e parassimpático. Nos pés encontramos pontos-gatilhos que se manifestam quando a pessoa esta sob pressão, cansada, estressada, angustiada, praticando exercício em excesso ou acima do peso.

"Ao massagear esses pontos, que se localizam na articulação, tendão ou músculo, promovemos o fluxo de energia nesta área e aumento do fluxo sanguíneo no pé e do retorno venoso. Essa liberação de energia estagnada promove um relaxamento profundo", diz. Outro ponto especial são os ombros, onde a maioria das pessoas acumula tensão.

Se você não tem medo de agulhas, pode recorrer à acupuntura? Segundo Dra. Tatiana Dumaresq, fisioterapeuta especialista em Acupuntura da Clínica Fisio & Quality, a técnica reduz significativamente o estresse e a ansiedade e a sensação de bem-estar geralmente é sentida na primeira sessão. "As agulhas agem pela via nervosa, provocando a liberação de substâncias como endorfina e serotonina. Estas têm poderes analgésicos, calmantes e antidepressivos, podendo aliviar os sintomas de forma imediata ou progressiva, conforme as características de cada indivíduo", explica.

Os avessos a remédios podem ainda recorrer aos florais, mas antes de começar a tomar, procure um terapeuta floral. "Ele saberá indicar o floral certo para cada caso. Se o desequilíbrio emocional for mal interpretado, com certeza a pessoa comprará o floral errado também", diz Dra. Tatiana.

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente

Últimas