Terapia de regressão

Conheça os efeitos dessa terapia que pode curar traumas e bloqueios

Terapia de regressão

Esse é um tópico que todo mundo já ouviu falar alguma vez na vida. Seja em rodas de conversa ou em filmes por aí, a regressão é assunto recorrente entre pessoas das mais diversas culturas. E você sabe exatamente o que é, como funciona e quais seus efeitos em quem participa desse tipo de terapia?

A regressão de memória, também chamada de retrocognição, é um processo espontâneo ou induzido que permite a alguém relembrar, compreender e integrar experiências marcantes que foram vividas anteriormente. A terapeuta psico-corporal e sistêmica do Instituto União, Elaine Lilli, conta: "A nossa vida é composta por momentos e fases e cada uma tem uma importância significativa, marcada por descobertas, desafios, emoções, sentimentos e aprendizados".

E segundo o psiquiatra especialista em Terapia de Vida Passada do Hospital Municipal de São Vicente, Flávio Braun Fiorda, a regressão é feita de forma completamente consciente. "De nada adianta o psicólogo ou psiquiatra obter informações emocionais do paciente sem a sua participação", diz ele.

A pessoa que opta por essa terapia começa a fazer o tratamento por meio de uma consulta de avaliação para verificar qual seu estado emocional. É nessa consulta que ela vai expor suas principais queixas, como o que está atrapalhando sua vida, e quais os objetivos a serem atingidos. Apenas depois desse processo é que as sessões de regressão, que duram, em média, uma hora e meia, são agendadas.

Através da regressão, que usa técnicas de respiração e hipnose para acontecer, pode-se acessar fatos ocorridos durante a vida adulta, a adolescência, a infância, o nascimento, a vida intrauterina e, até mesmo, experiências ocorridas em outras vivências e que ainda afetam o dia a dia.

"A regressão de memória atuará nas fases da vida, colaborando positivamente para uma integração plena de qualquer situação ainda mal resolvida, consciente ou inconsciente, que ainda possa afetar insatisfatoriamente a vida do paciente", conta a terapeuta Elaine.

A regressão tem como objetivo curar traumas passados, medos, bloqueios, repressões, culpas e eventos mal esclarecidos no passado, a fim de serem feitas escolhas mais adequadas no presente. Promove um melhor relacionamento consigo próprio e, consequentemente, com o meio social, e a conscientização através do autoconhecimento.

O psiquiatra Flávio Braun afirma que esse tipo de terapia é indicada, principalmente, para fobias e transtornos de personalidade. "Não é aconselhável em mulheres grávidas para não perturbar o psiquismo fetal. Pacientes que estejam em surto psicótico também não têm condições de realizar esta terapia. E nunca, mas nunca mesmo, deve ser feita por mera curiosidade", alerta ele.

Para saber quando se está preparada para procurar esse tipo de ajuda, analise se você sabe o que está causando suas angústias emocionais, mentais e até físicas, desequilíbrios, perturbações e conflitos. Caso não saiba, talvez seja a hora de marcar uma consulta de avaliação.

Mas muito cuidado na escolha do seu terapeuta. "É extremamente importante que a regressão seja feita por um médico ou psicólogo treinado para que os ganhos no processo sejam realmente significativos", explica Flávio. "Uma boa formação e principalmente indicações de pessoas que já passaram pelo processo e obtiveram bons resultados e o tempo em que ele atua com a técnica são indicativos de sucesso e pioneirismo da terapia", completa Elaine.

Os métodos são para que você encontre a paz espiritual e o bem-estar que procura, mas o importante é que você se sinta bem com o processo que escolher seguir. Reflita se é isso mesmo o que você quer e vá em frente.


Juliany Bernardo (MBPress)

Comente

Últimas