Você gosta mais de você ou de chocolate?

Você gosta mais de você ou de chocolate

A Páscoa está chegando e você terá que enfrentar seus desejos e vontades de frente, não dá mais para fugir.

A maior preocupação nessa época para quem está no processo de reeducação alimentar é com o chocolate. Ou melhor, não com o chocolate, mas sim, com a vontade irresistível de devorá-lo. Claro que a pessoa mais indicada para falar sobre os valores nutricionais, o que deve ser evitado ou não, é a nutricionista. Mas devemos também buscar entender qual o efeito que o chocolate tem sob nossas emoções.

O que fazer com essa vontade quase incontrolável de devorar um ovo enorme de chocolate, comer muitas trufas, bombons, bolos e tudo o mais que essa época proporciona? Se você se considera uma "chocólatra" de primeira e fica agoniada para comer chocolate e quando começa não pára mais, é preciso ter alguns cuidados.

Primeiro é preciso baixar a ansiedade e a preocupação excessiva. Geralmente só se acredita que não irá conseguir. Pare com esse pensamento imediatamente! Cada vez que você pensa ou sente não ser capaz, sua mente acredita nessa afirmação como se fosse realidade e fará com que não seja capaz mesmo. Todos, sem exceção, são capazes de fazer o que querem. Acredite, você é capaz de fazer o que quiser. Mas o que VOCÊ quer, você sabe?

Essa é uma diferença importante, saber a distância que há entre o que você quer daquilo que você tem que, precisa fazer. O ter que, o precisar por si só impõe uma obrigação, algo pesado e que não trará satisfação e prazer algum. Já o querer faz pensar nos resultados que deseja obter e que implica na capacidade de suportar adiar a satisfação e o prazer e suportar a não satisfação do prazer imediato, mas com a certeza de que conseguirá se seguir as orientações corretamente.

Depois de responder essa pergunta a você mesmo, lembre-se que talvez seja preciso mudar alguns hábitos. Se fizer tudo como sempre fez, obterá os mesmos resultados, concorda? E é isso o que quer, os mesmos resultados? Acredito que não.

O desejo incontrolável pode ter uma natureza psicológica e estar associado, por exemplo, a tradições apreciadas ou às memórias felizes da infância. A comida conforta e, muitas vezes, os desejos estão atrelados a uma experiência da infância e às boas sensações que ela suscita e há uma vontade inconsciente de reviver tais emoções. Como era essa época da sua infância? Tudo era festa com a expectativa da chegada do coelhinho ou você esperava e ele nunca trazia o que você queria? Pense se há alguma relação com sua dificuldade atual.

É preciso ainda considerar que o desejo por doces, principalmente chocolate, é que ele estimula a produção de serotonina. De fato, quando se vê diante de altas doses de calorias, o corpo libera endorfinas - substâncias químicas que aliviam a dor e podem ajudar a reduzir a depressão e a ansiedade.

A serotonina, por exemplo, é a substância do cérebro ligada à sensação de prazer e bem-estar. É preciso identificar o que está por trás dessa necessidade. O que mais te dá prazer além de doces? Você tem tido prazer em algo? Ou apenas comendo? É preciso refletir e identificar a necessidade compulsiva.

Não é preciso se abster totalmente do tão sonhado chocolate, nem se enganar dizendo que não está nem um pouquinho com vontade e ir comer escondido no quarto ou até no banheiro, ou ainda, ignorar tudo que tem feito, deixar pra lá e devorar um ovo inteiro só porque é diet. Nada disso é correto.

Busque sempre o equilíbrio entre suas atitudes e o resultado que deseja obter. Antes de comer pense nos resultados que terá se saciar seu impulso e sua vontade. Como se sentirá depois? Com certeza, além das calorias a mais, com uma culpa enorme, e o pior, com a auto-estima lá embaixo por não ter sido capaz de se controlar. Para evitar tudo isso só há um caminho: conscientização. Ou seja, comer consciente, sem exageros, sem se deixar levar por carências afetivas inconscientes. Antes de gostar de chocolate, espero que você goste mais de você!

Comente

Últimas