E a barriguinha, como vai?

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+
E a barriguinha como vai

Uma das maiores preocupações de quem está acima do peso é aquele acúmulo de gordura na região abdominal, vulgarmente conhecido como barriga ou mesmo, carinhosamente apelidada de "pneuzinho". É a campeã nas reclamações em frente ao espelho e a primeira a ser lembrada quando se desce da balança.

Pode-se dizer que, "perder a barriga" é a Meca dos gordinhos que para chegar lá, muitas vezes, praticam todas as receitas que se apresentam. Para entendermos melhor, o abdômen é um músculo composto de três partes: reto abdominal (camadas frontais), o transverso e o oblíqüo (camadas laterais).

É o músculo que, junto com os infraespinhais (paralelos à coluna vertebral), é responsável pela correta postura do corpo. Fora isso, intervém diretamente no bom funcionamento do aparelho digestivo, contribuindo também com a fixação dos órgãos internos da região abdominal.

Um monte de ABTrecos são vendidos prometendo o paraíso. Reduções de medidas estupendas e até perda de peso... Tudo isso por cinco minutos por dia de seu tempo e mais alguns reais pela aquisição do artefato milagroso, que apenas e tão somente vai submeter seus músculos abdominais a um determinado exercício tonificando-o e, conseqüentemente, levando-o a uma posição menos caída.

Este trabalho é importante? Sim, e para todo o organismo, pois um abdômen em dia pode representar mais disposição, mais virilidade, menos dores na coluna, enfim, uma série de benefícios à saúde. Porém, ele pode estar tonificado e você ainda estar com aquela protuberância incômoda.

Para diminuir a barriga, que é composta essencialmente de tecido adiposo, é muito mais simples que todos imaginam, pois uma reeducação alimentar (diminuição das gorduras ingeridas) associada com atividades aeróbias (caminhadas, natação, hidroginástica, etc) irão gradualmente eliminar os excessos.


Aí, se você quiser aquele abdômen tipo "tanque" vai ter que tonificar de forma adequada, somente com exercícios de flexões abdominais, sem a necessidade de acessórios. Mesmo assim, terá que manter o equilíbrio de queima de gordura para não retomar os pneuzinhos. Vale ainda lembrar que o excesso de tônus no abdômen pode representar um desequilíbrio postural.

É muito importante trabalhar também os músculos antagonistas que, nesse caso, são os infraespinhais (músculos posteriores das costas) utilizando flexões dorsais.

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente

Últimas