Aditivos alimentares: apesar da má fama, são indispensáveis para os alimentos

Aditivos alimentares apesar da má fama são indispe

Quem segue o conselho dos nutricionistas e têm o hábito de ler os rótulos de alimentos já se deparou, na lista de ingredientes, com algumas palavras "estranhas" como espessante, antiumectante, estabilizante, antioxidante, edulcorante, entre outras.

Afinal, o que esses "ingredientes" significam? Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), além da matéria-prima normalmente utilizada para a fabricação do alimento industrializado, é necessário citar, na lista de ingredientes, todos os aditivos alimentares que o mesmo possui.

Mas para que servem os aditivos alimentares? Será que eles prejudicam a saúde do consumidor?

De acordo com a ANVISA, considera-se aditivo alimentar qualquer ingrediente adicionado intencionalmente aos alimentos, sem o propósito de nutrir, mas com o objetivo de modificar as características físicas, químicas, biológicas ou sensoriais (como aroma, cor, sabor e odor) durante o processamento do alimento. Esta definição não inclui substâncias nutritivas que sejam incorporadas aos alimentos para manter ou melhorar suas propriedades nutricionais e nem contaminantes.

Nas indústrias, os aditivos alimentares também são utilizados para aumentar o prazo de validade dos alimentos e prevenir alterações indesejáveis (como, por exemplo: bolor), facilitando também sua disponibilidade durante qualquer época do ano, para um grande número de consumidores e, em muitas ocasiões, a um baixo custo.

Quanto à saúde, é importante ressaltar que os aditivos não devem ser encarados como agentes causadores de doenças. O Ministério da Saúde, por meio da ANVISA, regulamenta e limita seu uso a alimentos específicos, na menor quantidade possível, para alcançar o efeito desejado; evitando assim, qualquer tipo de problema de saúde.

Antes de um novo aditivo ser liberado para uso em produtos industrializados, pesquisas são realizadas com objetivo de avaliar possíveis efeitos tóxicos, sendo que sua utilização é proibida:

  • quando há evidências ou suspeitas de que o aditivo não é seguro para o consumo.
  • quando interfere desfavoravelmente no valor nutritivo do alimento.
  • quando serve para encobrir falhas no processamento e na manipulação do produto, ou ainda, para encobrir alterações e adulterações da matéria-prima ou do produto já elaborado, enganando o consumidor.
  • Mas, apesar do rigor dos estudos e da legislação e mesmo sabendo que nem todos os aditivos alimentares são sintéticos - sendo que muito deles são naturais (como alguns corantes, aromatizantes e flavorizantes) - não há como impedir que pessoas mais sensíveis, possam desencadear alergia ou intolerância a eles, assim como existem, aquelas que têm alergia ou intolerância a alimentos in natura e sem aditivos, como frutas frescas, ovos ou pescados.

    Enfim, além de ler o rótulo, deve-se ficar atento a qualquer reação, seja gastrointestinal (náusea, vômito, diarréia) ou cutânea (coceira, vermelhidão, urticária) que possa surgir após a ingestão de algum alimento que contenha aditivo, procurando sempre o auxílio médico para avaliar se o problema foi ou não desencadeado pelo consumo do produto. Conheça, na tabela a seguir, os principais aditivos alimentares utilizados pela indústria e suas funções:

    Aditivos alimentares apesar da má fama são indispe

    FONTE: ANVISA

    - Decreto nº 50.040, de 24 de janeiro de 1961

    - Decreto nº 55.871, de 26 de março de 1965

    - Portaria nº 540 - SVS/MS, de 27 de outubro de 1997.

    Comente

    Assuntos relacionados: nutrição anvisa aditivos alimentares

    Últimas