5 benefícios do hormônio do amor

A oxitocina faz mais bem à saúde do que você imagina. Saiba mais!
  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+
Hormônio do amor

Foto: iStock / ©LuckyBusiness

Já ouviu falar do “hormônio do amor”? Trata-se da oxitocina, uma substância produzida pelo corpo humano quando há algum tipo de intimidade física. Ou seja, quando estamos beijando ou abraçando alguém ou até amamentando, lá está ela, a oxitocina.

A substância quase mágica faz super bem para o nosso corpo e além de trazer esta sensação boa de afeto pode nos transmitir uma série de outras sensações. Veja a seguir o que o "hormônio do amor" pode fazer no nosso corpo e surpreenda-se:

1- Estimula a generosidade

Segundo o jornal britânico Daily Mail, um estudo de 'neuro economia' (estudo do cérebro enquanto as pessoas tomam decisões econômicas) afirmou que quem têm mais oxitocina no corpo tende a compartilhar mais dinheiro. Isso explica porque muitos casais dividem as contas - ou se endividam - mesmo não tendo condições para tal.

2- Inibe o medo

Uma pesquisa recente descobriu que a oxitocina é capaz de inibir as regiões cerebrais relacionadas ao medo. Dá para acreditar?

3- Auxilia na digestão

A substância desempenha um papel importante na digestão de alimentos. De acordo com estudos científicos, a ausência de níveis adequados de oxitocina afeta todo o processo digestivo, deixando-o mais lento.

4- Faz bem para o coração

A substância ajuda a proteger o sistema cardiovascular. Ela ilata os vasos sanguíneos, diminuindo assim a pressão arterial, além de  ajudar a combater os radicais livres.

5- Ajuda a curar doenças de envelhecimento

Um estudo feito com camundongos revelou que, à medida que esses animais envelhecem, os níveis de oxitocina diminuem. Cientistas injetaram o hormônio nos bichinhos com lesões musculares e eles se recuperaram muito mais rápido do que aqueles que não haviam recebido a substância.

Com relação a humanos, não se sabe ao certo quando a substância passa a ser produzida em menores quantidades, mas a esperança é a de que futuramente o hormônio possa fazer parte de tratamentos para lesões causadas pelo envelhecimento. Muito legal, não é?

Por Thamirys Teixeira


  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente

Últimas