Como controlar a ansiedade

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Como controlar a ansiedade

Camila Aparecida, 26 anos, ficava com as mãos transpirando, não conseguia segurar nada por causa do tremor dos dedos. O coração ficava acelerado. Passava noites no banheiro com dor de barriga. Momentos assim aconteceram várias vezes na vida dela.

Em alguns deles, a sensação era ainda pior. "Parecia que o mundo acabaria, me dava uma sensação de fraqueza. Eu queria sumir. Só depois de várias sessões com uma psicóloga é que percebi o que eu sentia e entendi como controlar a ansiedade", conta a estudante de contabilidade.

Histórias como a da Camila são comuns, mas se já se sentiu assim, saiba que, antes de tudo,

é preciso descobrir o que desencadeia este processo e lutar para ter autocontrole nas crises.

Segundo a psicóloga Leila Salomão, a ansiedade é uma sensação ou sentimento decorrente da excessiva excitação do Sistema Nervoso Central conseqüente à interpretação de uma situação de perigo. "A ansiedade é muito próxima ao medo [muitas vezes onde a diferenciação não é possível]. É distinguida dele pelo fato de o medo ter um fator desencadeante real e palpável enquanto na ansiedade o fator de estímulo teria características mais subjetivas", explica.

Para Salomão, o grande sintoma de características psicológicas mostra a interseção entre o físico e psíquico, uma vez que tem claros sintomas físicos como taquicardia (coração acelerado), tremores, tensão muscular, aumento das secreções (urinárias e fecais) aumento da motilidade intestinal (movimentos intestinais involuntários), cefaléia (dor de cabeça).

Quando recorrente e intensa também é chamada de Síndrome do Pânico (Crise ansiosa aguda). "Toda essa excitação acontece decorrente de uma descarga de um neurotransmissor chamado noradrenalina que é produzida nas glândulas supra-renais, lócus cerúleos e núcleo amigdalóide", esclarece a psicóloga.

Origens

A primeira é que a ansiedade poderia ter uma origem genética, ou seja, a pessoa herda de seus ancestrais uma pré-disposição para ter esses sintomas. "Nesses casos as manifestações podem ser bastante precoces, sendo a pessoa desde cedo uma criança agitada, às vezes hiperativa, que chora com facilidade e às vezes até com dificuldade de dormir. A ansiedade precoce também pode se manifestar com a avidez de mamar e numa postura mais teimosa e possessiva ainda como criança", afirma a especialista.

A segunda é uma infância carente e problemática na qual as dificuldades dos pais, mas principalmente da mãe de passar afeto e suprir as carências afetivas da criança, vão fazendo com que ela vá se sentindo insegura, exposta e vá gravando e condicionando um sentimento de que coisas ruins e sensações negativas podem acontecer a qualquer momento.

A terceira é a dificuldade de incorporar fatos e intercorrências novas ou desconhecidas. "O velho ou conhecido sempre traz a sensação de segurança e controle. O novo, por sua vez, tem a capacidade de potencializar a sensação de medo no sentido de que algo ruim ou perigoso pode vir a acontecer", diz Salomão.

Traumas de infância, grandes sustos, perdas afetivas ou mesmo materiais também podem desencadear quadros ansiosos importantes, mas não chegariam a ser causas específicas. "A tentativa de se livrar deste mundo de sensações e sentimentos, que tenha características desequilibradas, desajustadas, são causadoras dos transtornos Obsessivo Compulsivo, Ansioso, Hipocondríaco, Histérico e Fóbico.

Mas como controlar a ansiedade?

Na maioria das vezes, os tratamentos são técnicas de relaxamento, exercícios que levam ao controle da atividade do organismo, como meditação e ioga. "Outras medidas como o sono saudável e atividades prazerosas também funcionam", diz Leila. Fora isso, existem as terapias: cognitiva, comportamental e a interpessoal.

Segundo a psicóloga, são comprovadas cientificamente e têm altos índices de melhora dos sintomas. Para Salomão, as terapias tradicionais podem indiretamente melhorar a ansiedade por meio do autoconhecimento, mas são pouco efetivas em curto e médio prazo. "Também existem medicamentos comprovadamente eficazes no tratamento dos transtornos de ansiedade, principalmente os antidepressivos e os ansiolíticos", diz.

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente

Últimas