Corrimento Vaginal - previna-se!

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+
Corrimento Vaginal  previnase

Existe uma preocupação constante das mulheres em relação aos corrimentos vaginais. Dúvidas como, quais os sintomas que diferenciam uma secreção normal de uma patológica, por exemplo, são corriqueiras em consultórios ginecológicos.

Os cuidados, segundo os especialistas, devem ser tomados a partir do momento do processo menstrual, porque é nessa fase que ocorrem as mudanças do ph e da flora vaginal. Acumuladas com os hábitos diários (entre eles, o uso de tecido sintético), as alterações podem levar ao aumento da secreção vaginal.

"Para os casos normais, basta mudar alguns hábitos, como evitar o uso de calcinhas de lycra. Já os patológicos precisam de um tratamento prescrito pelo ginecologista", pontua Luiz Fernando Pereira Leite, ginecologista da Clinique, em São Paulo.

Uma secreção sem odor e sem coceira não é considerada doença. Somente a partir do momento em que ocorre uma alteração na quantidade deste corrimento ou na coloração, por exemplo, deve-se procurar um médico especializado.

Com o uso freqüente de roupas íntimas sintéticas, que impedem a ventilação dos órgãos, crescem os casos de corrimento vaginal. Quando não há transpiração, a glândula é abafada, como se estivesse usando uma máscara, e há um aumento da secreção sebácea.

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente

Últimas