Cuidado com o sal!

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Aprenda fazer um mix de ervas e reduza o sal da sua alimentação

Cuidado com o sal

Conhecido como um dos maiores vilões da saúde, o sal de cozinha é usado em grande quantidade pelos brasileiros, cerca de duas vezes e meia mais que o limite orientado pelos nutricionistas, segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde).

Para se ter uma ideia, aqui no país se consome em média 11,75g de sal por dia, sendo que a recomendação é não ultrapassar 5g por pessoa. "Em medida caseira seria uma colher de chá de sal por dia", diz a nutricionista funcional Érika Fantaguci.

Quando consumido em excesso, o sal pode trazer diversos problemas para a saúde. Um desses malefícios é a retenção de líquidos, que faz com que o coração e os rins fiquem sobrecarregados, principal causa da temida hipertensão. Doenças relacionadas ao coração, pressão alta, AVC, aumento de peso e cálculos renais estão nessa lista.

A maior concentração de sal pode ser encontrada em produtos que possuem realçador de sabor (ácido guanílico), como azeitonas, picles, patês, enlatados, alimentos em pó, caldos em cubos, embutidos, industrializados, carnes e peixes salgados. Esses alimentos não precisam ser cortados da sua dieta, mas evitados sempre que possível.

Quando as crianças são pequenas, não precisa acrescentar sal nas comidas. Renilde Santos, professora e terapeuta naturopata, afirma: "Quando são bebês não há necessidade de temperar os alimentos. Somente a partir dos sete meses a criança pode consumir cerca de um grama de sal por dia."

As crianças costumam gostar de alimentos prontos e ricos em sódio, porém devem ser evitados. O macarrão instantâneo, sem acrescimento do tempero, possui cerca de 1.198mg de sódio em 80g; a salsicha contém 551mg de sódio em 50g; o salgadinho de milho, 176,9mg de sódio em 25g; e o biscoito de polvilho, 270mg de sódio em 30g. "O sódio presente nos alimentos industrializados servem para dar sabor, é um conservante natural do produto", afirma Érika.

Entre os temperos mais indicados para substituir o sal estão o alho e a cebola. O alho ajuda a diminuir a pressão sanguínea e o colesterol. Já a cebola diminui os riscos de trombose (formação de coágulos sanguíneos nas veias) e aterosclerose (doença inflamatória dos vasos sanguíneos).

A sálvia e o manjericão também são indicados. A primeira fica ótima em massas e aves. Já o manjericão além, de saboroso, acalma os espasmos da digestão. "Todos os temperos naturais e aromáticos podem substituir o sal", afirma Renilde. E Érika completa: "Evite deixar o saleiro na mesa. Com o tempo a pessoa vai se acostumando com o novo paladar do alimento, com pouco sal.

Para estimular a mudança de hábitos dos brasileiros, ainda em 2013 entra em vigor uma determinação do Ministério da Saúde, que determina a redução de sódio nos alimentos processados no Brasil.

Quer aprender a temperar seus pratos sem precisar usar sal? Então confira a receita de mix de ervas sugerida pela nutricionista funcional Érika Fantaguci:

Ingredientes:

2 colheres (chá) de alho em pó

1 colher (chá) de manjericão

1 colher (chá) de orégano

1 colher (chá) de raspa de limão ralada

Modo de preparo:

Bata os ingredientes no liquidificador. O correto é colocar uma quantidade bem moderada de sal durante a preparação. Depois que o tempero está pronto não há mais necessidade de colocar sal.

Thaís Santos (MBPress)


  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente

Últimas