Cuide da sua saúde com música!

Cuide da sua saúde com música

A música sempre esteve presente na vida das pessoas. Sensações de alegria e tristeza, momentos inesquecíveis, cenas maravilhosas, sempre têm como pano de fundo uma bela música envolvente. Então, porque não utilizá-la para melhorar a qualidade de vida?

Muita gente não sabe, mas a música, dentre suas inúmeras funções, também é usada com objetivos terapêuticos. É a chamada musicoterapia, que utiliza sons, ritmos e harmonias para trabalhar a comunicação e a expressão, a timidez, a coordenação motora e até mesmo para tratar stress, depressão, distúrbios do sono e da fala e pacientes psicóticos.

A musicoterapia consiste na execução de vários instrumentos, que são utilizados de acordo com a necessidade de cada tratamento. "O trabalho está fundamentado no chamado ‘ouvir ativo’, apesar de o núcleo da terapia ser o de tocar os instrumentos. Mas também não é necessário que o paciente saiba tocar um instrumento. O importante não é o senso estético da música e sim, o processo e o esforço para conseguir um movimento", explica a psicóloga e musicoterapeuta Raquel Siqueira.

O fazer musical compreende a escuta, o canto, a execução de instrumentos, a movimentação corporal, entre diversas outras atividades, que envolvem o som e o movimento. "Tudo isso é feito num ambiente propício, chamado de ‘setting terapêutico’. O objetivo é facilitar por meio da música a troca de idéias, emoções e sentimentos entre paciente e terapeuta, para que este possa conhecer e entender seu objeto de estudo", diz a especialista.

A resposta do paciente ao tratamento, dependendo do caso, é quase que imediata. "A música é uma arte que

não necessita passar pelo mundo das idéias para buscar uma expressão. Diferentemente da pintura e da escultura, por exemplo, onde as imagens são captadas da própria natureza", acrescenta Raquel.

Interação

O tratamento só pode ser realizado por um profissional graduado em musicoterapia. "Ela não é uma terapia alternativa como muitos pensam. É uma intervenção terapêutica não-verbal, cujo objeto formal de estudo é o comportamento sonoro do indivíduo", diz a musicoterapeuta.

As sessões podem ser individuais ou em grupo, uma ou duas vezes por semana. Tudo irá depender do objetivo proposto para o processo terapêutico. "Antes de iniciar o tratamento, o paciente irá passar por algumas etapas de diagnóstico como entrevista inicial, ficha musicoterapêutica, testificação musical e por um teste projetivo sonoro musical", explica Raquel.

Na entrevista inicial, a profissional obtém informações para o tratamento sobre "a história sonora" do paciente e a "queixa principal". "Na segunda etapa nós colhemos dados sobre o mundo sonoro-musical do indivíduo, desde sua vida intra-uterina, suas preferências e recusas sonoras e musicais", esclarece a especialista.

Na terceira etapa, a musicoterapeuta colhe dados da manifestação sonoro-musical. "O paciente irá tocar ou manipular o instrumento como desejar e qual desejar. E no teste projetivo sonoro musical, verificamos a reação do paciente em relação a determinadas músicas e sons, com significados simbólicos pré-estabelecidos", diz Raquel.

Segundo a especialista, também são avaliadas as capacidades e habilidades corporais, motoras e cognitivas do paciente antes de concluir o diagnóstico inicial. A musicoterapia trabalha interagindo com diversos profissionais como psicólogos, fisioterapeutas, terapeuta ocupacional, fonoaudiólogos, entre outros.

O tratamento pode ser feito com gestantes, bebês, crianças, adolescentes, adultos e 3ª idade. "Cada tratamento é único, ou seja, o tempo de tratamento só irá depender do retorno que o paciente der ao musicoterapeuta nas sessões. O especialista não está autorizado nem habilitado para medicar. Se o paciente tiver que fazer uso de medicação deverá ser receitado por seu médico", afirma Raquel.

AMT-RJ (Associação de Musicoterapia do Rio de Janeiro)

Rua Graça Aranha 57 - 12º Andar - Castelo CEP 20230-002 - Rio de Janeiro - RJ

Tel.: 021 2240 5431

Fax: 021 2240 5481

Comente

Últimas