Dia do Chocolate

Conheça todos os tipos e faça a sua escolha!

Dia do Chocolate

Tentação máxima entre as guloseimas, companheiro inseparável dos momentos difíceis e amenizador instantâneo de TPMs, o chocolate, queridinho de toda mulher, não poderia passar batido no calendário e, claro, possui um dia todinho dedicado a ele. É isso mesmo, hoje é Dia do Chocolate! Mas, apesar de delicioso, o doce é extremamente calórico e é um verdadeiro inimigo das dietas. A não ser que você seja super controlada e nunca tenha perdido o foco durante os dias de maior ‘tensão’.

Entretanto, se consumido com moderação, o chocolate pode ser um precioso aliado da sua saúde. Com propriedades que elevam os níveis de serotonina e endorfina, o que causa sensação de bem-estar, os chocolates dão uma dose extra de disposição e ainda ajudam a evitar os sintomas de depressão mais leve. Para os chocólatras que apreciam a arte de comer chocolate, mas desconhecem a sua composição, a grande maioria dos chocolates contém em sua composição carboidratos, gordura, cálcio, ferro, potássio, vitaminas E e do complexo B, entre outras substâncias como a cafeína, que estimula o raciocínio. Mas, atenção, os benefícios do chocolate está diretamente ligado a quantidade de flavonoides, um antioxidante presente na semente do cacau, uma vez que absorvida a substância auxilia na redução da formação de placas de gordura, além de diminuir a oxidação do colesterol ruim, o que beneficia o funcionamento do coração e o risco das doenças cardiovasculares.

De acordo com a nutricionista Marcella Xavier, o chocolate amargo (ou dark como é vendido por algumas marcas) contém cerca de 70% de cacau, portanto, uma fonte rica em flavonoides, o que beneficiará o sistema circulatório. Em contrapartida, o chocolate ao leite apresenta quantidades muito baixas e o chocolate branco não contém a substância em sua composição e é um pouco mais calórico do que o chocolate comum. "Assim, é possível compor uma alimentação balanceada em calorias e nutrientes, pois ingerir grandes quantidades de alimentos energéticos aumenta o risco de obesidade", alerta a médica ao explicar que a quantidade de chocolate diária recomendada é de 30g e nada mais do que isso, se você tiver a intenção de consumi-lo sem risco de prejudicar a sua saúde.

Já que além de ser gostoso e fazer bem a saúde, hoje também é Dia do Chocolate, a nutricionista Bruna Murta, mostra quais os tipos de chocolate existentes no mercado para você poder avaliar a sua escolha.

Amargo - composto por sementes de cacau, um mínimo de manteiga de cacau, pouco açúcar e sem adição de leite. Seu sabor amargo se deve à maior quantidade de massa de cacau, que compõe no mínimo 70% do produto.

Ao leite - contém licor e manteiga de cacau, açúcar, leite, leite em pó ou leite condensado. Possui menor teor de cacau (entre 36% e 46), grande quantidade de açúcar e maior valor calórico do que o chocolate amargo.

Branco - as sementes de cacau não fazem parte da fórmula desse alimento. Em sua receita contém leite, açúcar, manteiga de cacau e lecitina. Não contém antioxidantes. É o que contém maior teor de gordura e valor calórico.

Ao leite 0% açúcar - não contém açúcar em sua composição, sendo indicados para diabéticos. No entanto, deve-se ter atenção a quantidade ingerida, pois para compensar a falta de açúcar, ganha maior dose de gordura, sendo mais calórico do que o chocolate ao leite tradicional. Encontrado em tabletes, bombons e ovos.

Chocolate orgânico - o cacau utilizado nesse tipo de chocolate é orgânico, ou seja, é produzido sem o uso de agrotóxicos e fertilizantes químicos, trazendo mais benefícios à saúde e ao meio ambiente. Há as opções ao leite, amargo e à base de soja.

À base de soja - é 100% vegetal, feito com extrato de soja, sem lactose ou glúten. Disponível em bombons, barras, ovos de Páscoa, esta guloseima é especialmente indicada para pessoas com intolerância à lactose e celíacos. A versão sem açúcar pode ser consumida por diabéticos.

Alfarroba -alternativa para intolerantes á lactose ou celíacos. É uma vagem que após torrada e moída resulta em uma farinha utilizada como substituta do cacau. Tem apenas 0,7% de gordura, é pouco calórica, além de ser rica em fibras e não conter cafeína. Seu sabor é similar ao do chocolate amargo. Este produto pode ser encontrado em barra, pó, bombons, gotas e ovos de Páscoa. Sem adição de açúcar, pode ser consumido por diabéticos.

Por Paula Perdiz

Comente

Últimas