Dicas para apoiar um familiar com câncer

familiar cancer

Foto: Istock/KatarzynaBialasiewicz

Enfrentar a descoberta de qualquer doença de pessoas próximas é sempre um baque. É como se tudo caísse por terra e não há a possibilidade de se desvencilhar do problema. 

Geralmente sentimos isso porque estamos conectados a esta pessoa com laços muito fortes e inevitavelmente – isso faz parte de todo ser humano – não pensamos na morte como uma possibilidade, até a descoberta de algo que pode mudar completamente a vida de toda uma família.

O primeiro passo é pensar na pessoa que está sofrendo com a doença. Às vezes pensamos mais no nosso sofrimento do que no sofrimento daquele que está vivendo o momento. Oferecer o total apoio somente é possível se você também estiver seguro das suas emoções. Sofrer é inevitável. O sofrimento faz parte da vida, assim como a alegria. Por isso, o apoio e a união da família e dos amigos são primordiais para que todos passem por esse momento sabendo que tem alguém ao lado para se apoiar. É um apoio mútuo.

Como ter força e apoiar a pessoa ao mesmo tempo?

Amparar-se em amigos é a primeira coisa que todo ser humano tende a fazer e isso é ótimo. É importante estar perto de pessoas que ouçam seu sofrimento e acolham sua dor, mesmo que pelo simples fato de estar ao lado. 

Se você é acostumado a ler, leia sobre coisas que não tenham nada a ver com o tema daquilo que você está vivendo naquele momento: a leitura permite que o indivíduo saia da própria bolha. Inclusive, a leitura é uma excelente aliada no combate à depressão!

Como contar para crianças?

Antes de contar, preparar o ambiente é a melhor maneira. Aproximar-se da criança (caso seja uma família mais distante), passear, falar sobre outras coisas e fazer com que a criança se sinta segura naquele ambiente. A partir daí, falar sobre o que é a doença de maneira cautelosa, contar uma história que fale sobre o tema, tirar as dúvidas da criança (porque crianças são curiosas e certamente farão perguntas) e só depois de todo esse cenário explicar porque está contando isso.

E o paciente, qual a orientação para ter força e lutar?

Apoiar-se na família é primordial. Estar perto das pessoas que o fazem sentir-se seguro e protegido. Pedir à família e amigos que falem sobre outros temas para se distrair também é uma excelente ideia para esquecer o problema. O mais importante de tudo isso é não focar as energias no problema e sim no que há de bom. O problema está sendo tratado por quem entende do assunto, a única coisa que o paciente precisa fazer é seguir as orientações necessárias. No mais, estar com amigos e família e se achar necessário, buscar ao auxílio de um profissional psicólogo, que é uma pessoa completamente neutra na situação e buscará tratar a autoestima do paciente.

Psicóloga Thaiana Brotto

Comente

Assuntos relacionados: Thamirys Teixeira

Últimas