Epilepsia: o que fazer depois de uma crise?

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

A crise dura poucos minutos e já passou quando o paciente se mostra sonolento e confuso mentalmente

Epilepsia o que fazer depois de uma crise

Você sabe o que fazer depois de um epilético sofrer uma crise? Na maioria dos casos, elas duram entre 2 e 3 minutos e quando há indícios de convulsão o suficiente para assustar quem está por perto.

Em primeiro lugar, mantenha a calma e apoie a cabeça da pessoa para evitar um trauma caso ela esteja se debatendo. Vire o rosto de lado para eliminar o acúmulo de saliva ou para impedir que ela se asfixie com o próprio vômito, e espere que a crise passe.

A crença popular diz que a língua enrola e pode ser engolida durante a crise. Há relatos de dentes arrancados durante a manobra de colocar uma colher na boca do paciente e, o pior, que dedos da pessoa que tentava segurar a língua foram decepados em virtude da contração dos músculos que ocorre nesses momentos. Segundo especialistas, isso não passa de mito, inverdade.

Os médicos são categóricos ao afirmar que é impossível engolir a língua, músculo que se contrai durante a crise por causa da contratura muscular generalizada e característica da epilepsia. Pode parecer enroladinha, mas nunca será engolida. O máximo que pode acontecer é o paciente mordê-la e feri-la, mas vai cicatrizar sem problemas depois.

E depois de a crise passar, como agir?

O professor de neurologia na UNICAMP (SP), Li Li Min, descreve que os epiléticos ficam meio confusos, sonolentos e recobrando a consciência. Para eles, a primeira reação é de defesa e isso pode gerar gestos agressivos ou até violentos. Para quem estiver em volta ou no caso da crise ter sido em casa, ele sugere não interromper os movimentos do paciente. Avise-o que ele teve uma crise, pergunte-lhe como se sente e tenha paciência até que retome normalmente as atividades.

Há ainda pacientes que ficam uma ou duas horas sonolentas. Outras passam o dia inteiro assim e é muito comum acharem que o período de sonolência faz parte da crise epilética. "Não faz", diz Li Li Min. "A crise dura poucos minutos e já passou quando o paciente se mostra sonolento e confuso mentalmente", complementa.

Quando as crises são demoradas, especialmente quando duram mais de cinco minutos ou há uma crise atrás da outra, a pessoa deve ser levada para o pronto-socorro. Nessas circunstâncias, deve-se chamar o resgate ou uma ambulância ou ela pode ser transportada dentro de um automóvel de passeio, caso não haja alternativa.

De forma geral, um epilético que conhece a sua doença possui um cartão informando a sua condição com dados sobre o medicamento que toma, o telefone do médico ou familiar que deve ser chamado e até mesmo o que fazer em caso de crise convulsiva.

Natália Farah


  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente

Últimas