Fadiga adrenal

Estresse e cansaço podem contribuir para o distúrbio

Fadiga Adrenal  Estresse e cansaço podem contribui

Com a correria diária e as múltiplas tarefas que temos que executar é difícil conter o stress e o cansaço, ainda mais quando não conseguimos incorporar um estilo de vida saudável aos horários e obrigações do dia a dia. No entanto, é importante lembrar que, quando o stress se sobrepõe aos períodos de descanso, podem ocorrer deficiências hormonais na glândula suprarrenal e, com isto, ficamos mais suscetíveis a doenças e infecções, sendo que os primeiros sinais normalmente é a Fadiga Adrenal.

Descoberta gradativamente há 10 anos, a Fadiga Adrenal é considerada atualmente a síndrome do século XXI e caracteriza-se pelo cansaço em excesso. Mas não é aquele cansaço de fim de expediente, mas sim aquele no qual você dorme mais cedo e acorda mais tarde e ele continua ali; você viaja no feriado prolongado e mesmo assim ele não vai embora; ou, pior, você tira férias e duas semanas depois já está muito cansado e volta pior para casa. Ou seja, o seu alerta vermelho já pode ser ativado.

Para quem não sabe, essa disfunção ocorre porque a glândula suprarrenal está funcionando mal e não está secretando os hormônios que deveria. De acordo com cardiologista e médico ortomolecular, Marcos Antônio Natividade, "a suprarrenal é responsável pela secreção da hidrocortisona, da aldosterona e do DHEA. Ela é muito importante porque é a primeira a ser atingida pelo stress e também por nos defender dos traumas físicos, incluindo frio, calor e fome", explica.

Ainda segundo o médico, além do cansaço excessivo, os sintomas são: infecções e gripes frequentes, ansiedade, irritabilidade, alterações do sono, baixa libido e ereções não mantidas, tonturas, baixa concentração e memória, apatia, compulsão por doces, salgados, cafeinados e frituras, depressão e medo sem causa aparente.

Pouco conhecida e com sintomas pouco específicos, a Fadiga Adrenal é confundida com inúmeras doenças, entre elas depressão, pânico, fibromialgia, labirintite, anemia, palpitações e outras alterações. Mas o Natividae alerta: "Quando diagnosticada, deve ser feita uma reposição com hormônios biodênticos, que são iguais aos secretados pela glândula suprarrenal. Se não tratada, pode desencadear doenças como obesidade, diabetes, hipertensão arterial, doenças cardiovasculares e osteoporose".

Excesso de trabalho, má alimentação, sedentarismo e aborrecimentos são causas que podem induzir a fadiga. Quer evitar que isso aconteça com você? O médico dá as dicas: "o modo de evitar é levar uma vida equilibrada, comer castanhas, verduras, frutas, alimentos integrais e peixes. Fazer atividade física três vezes por semana, descansar no mínimo dois finais de semana por mês e tirar trinta dias de férias por ano. Isso é fundamental para se viver com saúde e bem-estar", finaliza.

Por Paula Perdiz

Comente

Últimas