Gene da obesidade e diabetes

gene da obesidade e diabetes

Recentemente cientistas do Imperial College de Londres afirmam ter descoberto um gene ligado à obesidade e a diabetes. Trata-se de versões defeituosas do gene ENPP1 que prejudicam o modo como o corpo armazena energia e lida com o açúcar, ao bloquear a produção da insulina.

Crianças com versões defeituosas desse gene já são obesas aos cinco anos de idade. Como a obesidade e a diabetes aumentam o risco de desenvolvimento de doenças fatais como as cardíacas, o assunto é de extrema importância. Temos aproximadamente 11 milhões de diabéticos no Brasil e devemos estar com 40% dos brasileiros acima do peso.

Apesar de a obesidade ter causas multifatoriais essa descoberta poderá ajudar na solução do problema, pois se trata de um assunto de âmbito nacional.

Esse alerta serve para os pais que ao notar seus filhos já obesos na idade de cinco anos, procurem profissionais para o tratamento da doença.

Paralelamente, o quanto antes a família desenvolver uma alimentação saudável, sem muitos carboidratos processados, ou seja, açúcar, trigo, melhor será para o futuro delas.

Acho uma tarefa das mais difíceis, a dos pais de estimular as crianças a comer frutas, verduras e legumes. De não tomar tanto refrigerante, de evitar lanches. De comer em horários regulares, mastigar os alimentos o necessário para que sejam decompostos em nutrientes mais simples antes de serem utilizados pelo organismo. Além de evitar tomar líquidos nas principais refeições.

Também para evitar a obesidade é preciso estimular as crianças a fazer exercícios físicos. Freqüentar aulas de educação física nas escolas. Incentivar a prática de algum esporte de competição ou não. Essas medidas caseiras podem contribuir para evitar a obesidade.

Quanto às autoridades, seria interessante medidas de saúde pública, como procurar fazer com que as indústrias utilizem menos açúcares e gorduras nos alimentos.

Também seriam importantes ações de instituições comunitárias que estimulem atividades físicas como caminhadas ou passeios ciclísticos em finais de semana.

Enfim o fator genético está presente no desenvolvimento da pessoa, esteja ele defeituoso ou não, mas educação alimentar e atividade física deverão sempre ser incentivados.

Aguardo perguntas e sugestões.

Comente

Últimas