Hiperatividade: como tratá-la?

A hiperatividade pode atrapalhar o desenvolvimento das crianças

Hiperatividade como tratála

Crianças cheias de peraltices e agitações são comumente vistas pelos pais e avós como sinais de que estão saudáveis. Mas essas características, quando excessivas, podem atrapalhar o desenvolvimento dos pequenos. É o chamado TDAH, Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade.

Segundo a Dra. Denise Milani, psicóloga, pedagoga e neuropsicóloga, o hiperativo, desde cedo, é extremamente agitado, não consegue ficar parado e tem dificuldades em aceitar limites. "Em geral, a criança dorme menos que a média das outras crianças e logo ao acordar já está extremamente agitada, em alerta, fazendo várias coisas ao mesmo tempo."

O diagnóstico do TDAH é feito por dois especialistas. Um é o neurologista, que faz a avaliação estrutural por meio de exames. O outro é o neuropsicólogo, que avalia todas as funções cognitivas para averiguar o déficit atencional, bem como as consequências do mesmo sobre as outras funções cognitivas, como por exemplo, a memória. A criança hiperativa mostra sinais de agitação durante toda a infância, porém o diagnóstico só pode ser fechado a partir dos sete anos.

Os pais que possuem filhos hiperativos devem primeiramente se informar sobre o transtorno e impor limites de maneira igual, de forma que a situação fique mais controlada. "É essencial também procurar um profissional, que se encarregará que buscar soluções não só para a criança, mas para os pais também", orienta Dr. Denise. "Evite comparar outros filhos ou parentes com a criança. É importante ficar claro que o hiperativo não consegue se controlar, ele não age assim de propósito."

Além da terapia, em certos casos, o médico pode receitar medicamentos que estimulem a atenção e, consequentemente, deixem a criança mais tranquila, uma vez que ela vai conseguir parar para prestar atenção, algo impossibilitado pelo TDAH.

Essa hiperatividade tem efeitos dentro da sala de aula. A professora tem dificuldades em conseguir controlar a agitação do aluno e este não consegue se concentrar e nem mesmo concluir as atividades iniciadas. "Além disso, a criança acaba atrapalhando os colegas, distraindo-os durante a aula", acrescenta a psicóloga.

Dra. Denise separou seis dicas para ajudar os professores a lidarem melhor com os alunos hiperativos:

- Procure utilizar métodos audiovisuais. Tarefas com mais de uma pista facilitam a compreensão e assimilação da informação.

- Parabenize o aluno sempre que ele for bem sucedido. Isso ajuda a elevar a sua autoestima. Elogie e incentive o que o aluno tem de bom e valioso.

- Crie estratégias que auxiliem na memorização e cumprimento de atividades: anotações coloridas, lembretes, uso de agenda, celular etc.

- Afaste a criança de portas e janelas para evitar que ela se distraia com estímulos alheios.

- Estimule a criança a tomar nota dos pontos mais importantes de cada conteúdo. Isso a ajudará a organizar-se melhor.

- Permita o movimento na escola. Peça para a criança ir buscar materiais, apagar o quadro, recolher trabalhos. Assim ela pode sair da sala quando estiver mais agitada e recuperar, em seguida, o autocontrole.

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente

Últimas