HPV: Sintomas e Tratamentos

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+
HPV Sintomas e Tratamentos

Uma em cada quatro brasileiras está contaminada pelo HPV. O dado, fornecido pelo Hospital do Câncer de São Paulo, mostra que é grande o número de mulheres com o papilomavírus, causador de 95% dos casos de câncer de colo de útero.

O HPV é a doença sexualmente transmissível de maior presença nas estatísticas brasileiras, de acordo com o Congresso Brasileiro de Infectologia.

O sexo não é a única forma de transmissão dessa doença, mas é a principal. Ela também pode ser passada por roupas íntimas, instrumentos clínicos mal esterilizados e contato com a pele. "Tem que ter o contato de pele com pele. Uma verruga, em um determinado lugar do corpo, pode transmitir HPV para outra pessoa, se ela entrar em contato com o ferimento", conta o ginecologista Paolo Fasano.

Encontrado na pele e nas mucosas genitais de homens e mulheres, pode ser transmitido pelos três tipos de sexo: vaginal, anal e oral. Seu diagnóstico é difícil, pois muitas vezes o vírus permanece adormecido no corpo da pessoa, e só se manifesta quando a imunidade está baixa. "Ele evolui de maneira discreta e atinge a pele e mucosas.

Muitas vezes o vírus é visível através de verrugas no local contaminado, mas é importante realizar uma avaliação médica, no qual o ginecologista além de examinar, se necessário, solicitará a confirmação do vírus através de exames como papanicolau, colposcopia e biópsia", conta Carolina Costa Fernandes, psicóloga especialista em sexualidade pelo Instituto Paulista de Sexualidade.

Já nos homens, o diagnóstico é mais complicado, pois nem sempre as verrugas aparecem no local infectado. Caso a parceira apresente HPV, é necessário que o homem procure um urologista e verifique a doença.

Existem alguns exames específicos para procurar o vírus no corpo das pessoas. A colposcopia, que examina a vagina; a peniscopia, que é feita no pênis; a vulvoscopia, na vulva; e a anuscopia, que é realizada no ânus. O material é colhido e analisado para que possa ser feito o diagnóstico. "Também é feito um exame de HIV, para garantir que nenhuma outra doença tenha sido transmitida", explica Fasano. A primeira lesão pode aparecer no local infectado entre cinco e quarenta dias após o contágio.

O tratamento é feito de acordo com o paciente, sua idade e a evolução da doença. Uma gravidez também pode alterar os procedimentos. "Pode ser medicamentoso, mas geralmente é utilizado um tratamento local com cauterização. Existem atualmente vários métodos como laser ou ácido colocado na lesão, realizados no próprio consultório médico", conta Carolina. A duração depende do progresso da doença.

A estudante de arquitetura Fernanda Martins* pegou a doença de sua irmã, que foi infectada por um ex-namorado. "Eu só tinha tido relação com meu namorado, e ele comigo. Ele achou que eu tinha traído ele e eu achei que ele é quem tinha me traído, por eu ter pego a doença. Mas ele não estava com HPV, e então descobrimos que eu contraí da minha irmã, por usar a mesma toalha", diz.

O tratamento foi longo e doloroso, mas Fernanda conseguiu ficar livre das feridas. "A pior parte é ficar sem sexo. Durante o tratamento tem que ter abstinência sexual. Mas meu namorado foi super compreensivo. E a falta de sexo não significa falta de intimidade", afirma a estudante. De acordo com a especialista Carolina, o sucesso do tratamento é garantido. "Se ele for realizado corretamente, em sua grande maioria obtém-se a cura", diz.

Apesar de existirem centenas de tipos do vírus, a maioria das infecções é ocasionada por apenas quatro tipos dele. As versões 16 e 18, que são responsáveis por 70% dos casos de câncer de colo de útero; e as versões 6 e 11, que causam 90% das verrugas genitais. Mas já existem duas vacinas que prometem ajudar na prevenção do papilomavírus.

Uma delas, fabricada pelo laboratório Merck Sharp & Dhome, protege contra esses quatro tipos mais comuns. Ela é indicada para mulher entre nove e 26 anos e chamada de "Vacina Quadrivalente". A outra, a "Vacina Cervarix", protege contra os tipos 16 e 18, e também é indicada para a mesma faixa etária. "Isso se propõe a provocar uma resistência contra o HPV mais letal para a mulher, aquele que comprova câncer de colo de útero. Para o mais comum, não tem essa eficácia", explica Paolo Fasano. As vacinas são caras e são necessárias várias aplicações. Antes de qualquer procedimento, é importante conversar com um médico.

O ginecologista explica que os tipos de HPV que provocam verruga não costumam gerar câncer no útero. "Por isso a gente faz muito papanicolau no Brasil. Ajuda a detectar a doença, quando não aparecem as verrugas", conta Paolo.

Para evitar o contágio sexual, é necessário o uso de preservativo. Nada mais simples. Mas existe uma ressalva: a transmissão é feita pelo contato da pele. Ou seja, a parte que a camisinha não cobre, pode passar ou pegar o HPV. Por isso são necessários exames de rotinas em ginecologistas e urologistas e muita atenção ao surgimento de verrugas e coceiras nos órgãos genitais.

"É importante realizar exame ginecológico a cada seis meses, para que haja um controle regular com coleta de material do colo do útero", conta Carolina. Além de causar câncer no colo do útero, o HPV também pode ocasionar câncer no pênis. "O preservativo é importante desde o início da relação sexual, nas preliminares, pois o atrito auxilia o contato", lembra o ginecologista Paolo Fasano.

Como sempre, é importante lembrar o uso de preservativo e de exames médicos. HPV é uma doença séria e cada vez mais comum.

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente

Últimas