Intoxicação alimentar

Saiba como evitar a contaminação de alimentos

Intoxicação alimentar  Saiba como evitar a contami

Muitas vezes achamos que o perigo de uma intoxicação alimentar está relacionada ao fato de se alimentar fora de casa. No entanto, saiba que apesar de acontecer em maior incidência nos bares e restaurantes, a contaminação dos alimentos também pode ocorrer na sua casa. Por isso deve-se atentar para a qualidade dos alimentos e a higiene durante o preparo das refeições. O calor também propicia a proliferação de bactérias patogênicas e os alimentos estragam com maior facilidade nos dias mais quentes. Por isso, atenção!

Para quem acha que a intoxicação alimentar é só ‘uma infecçãozinha à toa’, não é bem assim. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a intoxicação alimentar ou gastrointestinal causada pela ingestão de alimentos contaminados por germes que causam doenças, entre eles bactérias, parasitas e vírus, está entre os problemas de saúde mais comuns no verão. Nos casos mais amenos, os sintomas da infecção alimentar duram poucos dias. Repouso e doses generosas de água geralmente são suficientes para reverter os danos gastrointestinais. Para combater a desidratação causada no organismo, pode ser necessária a reposição de líquidos pela via endovenosa. De qualquer forma, buscar auxílio médico é importante. Nos casos mais raros e graves, busca-se diagnosticar o agente causador para a prescrição do melhor tratamento.

As causas da intoxicação alimentar variam. Em geral, os motivos são bactérias como a E.Coli, Campylobacter ou Salmonella ou ainda o vírus Calicivirus. Os sintomas são diarreia, náuseas, vômitos e febre alta. A infecção alimentar por botulismo é a mais rara, mas potencialmente fatal. É causada por uma toxina produzida pela bactéria Clostridium Botulinum, presente no solo e em alimentos mal conservados - em especial os enlatados. A ingestão desta toxina provoca alterações no sistema nervoso e os primeiros sintomas são boca seca e visão embaçada. Mas, o que fazer para prevenir?

De acordo com a nutricionista Alessandra Rocha, da Sare Drogarias, os cuidados para se evitar a intoxicação alimentar são relativamente simples. Veja as dicas:

Temperatura dos alimentos - mantenha a temperatura do refrigerador entre 12 e 15ºC negativos, isso ajuda a retardar o crescimento das bactérias. Apesar da medida não eliminá-las por completo, ela inibe sua proliferação;

Como descongelar o alimento - outra medida de segurança é evitar que os alimentos desgelem por si só. As bactérias podem crescer na superfície externa de alimentos, antes mesmo que a parte interna esteja degelada. É mais seguro descongelar o alimento no forno de micro-ondas ou colocá-lo sob corrente de água;

Alimentos frescos - verduras, frutas e legumes devem ser bem lavados e esterilizados antes do consumo para impedir a contaminação por alguma bactéria;

Higiene do local de venda - Também é fundamental observar a higiene do local onde se consome alimentos. Verifique se o alimento não ficou exposto a roedores ou insetos como moscas e baratas. Lembre-se de sempre lavar bem as mãos antes de iniciar qualquer refeição;

Perigos da Salmonella - Os alimentos de origem animal merecem atenção especial já que a Salmonella vive no intestino de mamíferos, pássaros e répteis. "Outro cuidado é jamais comer carne crua de frango, uma vez que a bactéria patogênica que mais acarreta diarreia por infecção alimentar no mundo, a Campylobacter, vive no intestino de pássaros e a maior parte das carnes de frango cruas a contém", finaliza a nutricionista.

Por Paula Perdiz

Comente

Últimas