Livre-se desta prisão!

Livrese da prisão de ventre

Há pessoas que vão ao banheiro três vezes ao dia. Outras, duas. E há também quem vá três vezes por semana. E todas podem ser consideradas saudáveis, se esta for a freqüência pessoal normal de eliminação. Contudo, se você demora mais de três dias para eliminar as fezes, então é bom procurar solução: você está com prisão de ventre.

Mas o que é prisão de ventre? Segundo o professor de Gastroenterologia da Universidade Federal de São Paulo, Sender Jankiel Miszputen, a prisão de ventre é hoje uma das causas mais comuns de visita aos médicos. "Mais freqüente no sexo feminino, a constipação intestinal - como chamam os médicos - tem como causas principais a correria da vida cotidiana, que leva a uma dieta inadequada [pobre em fibras] e a negação do hábito de evacuar, causada por falta de tempo ou por vergonha", explica.

Foi o que ocorreu com a fotógrafa Carolina Medeiros, 36 anos, que tinha vergonha de ir ao banheiro e se segurava no trabalho. "Parecia que todos estavam olhando para mim. Quando eu demorava no banheiro ficava toda sem graça, como se eu tivesse feito algo de errado", conta a fotógrafa.

Entre os sintomas mais freqüentes da constipação intestinal está a baixa freqüência de evacuações. "São considerados constipados os indivíduos cuja freqüência de evacuações seja menor do que três vezes por semana. O mal também pode ser identificado quando há dificuldades ou dor para se evacuar, as fezes sejam endurecidas ou o paciente tem a sensação de evacuação incompleta", diz o especialista.

A maioria dos casos se dá por alterações funcionais no intestino. Entretanto, a constipação intestinal é um sintoma com uma grande variedade de causas. "A alimentação e o corre-corre cotidiano lideram o ranking dos principais fatores de risco para o desenvolvimento da doença", afirma Miszputen.

A vida moderna leva a uma alteração nos hábitos, que se reflete também na dieta. Segundo Miszputen, o consumo de alimentos pobres em fibras dificulta o bom funcionamento do trato intestinal. "A baixa ingestão de fibras impede a formação de um volume de fezes que estimule adequadamente sua eliminação pelo reto".

Além dos fatores de riscos mais comuns, a prisão de ventre também pode ser provocada por alterações hormonais e por certos tipos de medicamentos, como hipotensores, antidepressivos e antiinflamatórios, podendo ainda ser secundária a outras doenças. "Durante a gravidez, o aparecimento dos sintomas é freqüente principalmente durante o segundo e terceiro trimestres da gestação. O aumento natural de progesterona nesse período reduz a capacidade de movimentação do intestino, dificultando a eliminação das fezes", esclarece o médico.

Tratamento

Segundo a Organização Mundial de Gastroenterologia (OMGE), o tratamento da doença deve ser iniciado com o incentivo à mudança no estilo de vida e a adoção de uma nova dieta pelo paciente. "Quando nenhuma dessas alternativas resolve o problema, entram em campo os medicamentos. O recomendado é que o remédio seja iniciado com os formadores de massa, ou fibras. Essa classe de laxantes atua na retenção de água nas fezes, aumentando seu volume e diminuindo sua consistência, o que facilita a evacuação", completa Miszputen.

Comente

Últimas