Pintor registra evolução do próprio Alzheimer

Para isso, criou imagens que documentavam sua vivência da doença de maneira poderosa

Pintor registra evolução do próprio Alzheimer

Lidar com a própria doença é um desafio diário. No caso do pintor William Utermohlen, especialista em autorretratos, foi motivador. Diagnosticado com Alzheimer, ele começou a pintar a si mesmo.

De 1995 a 2000, William registrou a evolução das impressões que tinha de si mesmo e sua arte, adaptando o seu estilo às limitações crescentes de sua percepção e habilidades motoras.

Para isso, criou imagens que documentavam sua vivência da doença de maneira poderosa. O resultado do trabalho serviu como um registro artístico, médico, pessoal e único da luta de um homem com demência.

A medicina ainda desconhece a causa e a cura do Alzheimer, doença que atinge o sistema nervoso e ocasiona perda de funções cognitivas como orientação, atenção, memória e linguagem por conta da morte de células cerebrais. O tratamento acontece com acompanhamento médico e medicamentos.

Ainda que o problema não tenha reversão, dá para retardar a manifestação da doença com atividades recomendadas para estimular a memória. Entre elas leitura constante, exercícios de aritmética, jogos inteligentes e participação em atividades de grupo.

Natália Farah


Comente

Assuntos relacionados: doença saúde alzheimer

Últimas