Previna-se da candidíase

Saiba como cuidar melhor da sua saúde íntima

Previnase da candidíase

Apesar de muitas pessoas acreditarem que a candidíase é uma doença sexualmente transmissível, mas, na verdade, ela nada mais é do que uma infecção causada pelo fungo - a Candida sp - e se manifesta principalmente nos momentos de baixa imunidade na mulher, mas também podem acometer o trato genital masculino. Doença pouco comentada, a candidíase atinge 75% da população feminina e, no entanto, ainda é "tabu" para muitas mulheres. Ou seja, três em cada quatro mulheres já sofreram ou sofrerão com aquele incômodo na região vaginal que causa muita coceira e irritabilidade.

A infecção que ocorre com bastante frequência em mulheres com a vida sexual ativa leva muita gente a pensar que a doença é ocasionada por falta de higiene ou é transmitida pelo parceiro. Mas, muita calma, ainda que digam muitas coisas por aí, a candidíase é uma doença relativamente comum. De acordo com o ginecologista e obstetra José Bento, a candidíase vaginal é a causa mais frequentes de infecção nos genitais. "Ela provoca ardor, coceiras, dor durante a relação sexual e a eliminação do corrimento vaginal em grumos. Com frequência, a vulva e a vagina encontram-se inchadas e irritadas. As lesões podem estender-se também pela região perianal", explica o especialista. Ele ainda ressalta a importância de contar para o parceiro quando sentir os sintomas, pois os dois precisam ser medicados. "Não é uma doença de transmissão exclusivamente sexual e ambos precisam ser cuidados para isto não se propagar", sustenta o médico.

Outro grupo bastante propenso a esse tipo de infecção são as grávidas, bem como as mulheres na fase em período pré-menstrual e as pessoas que não estão com a diabetes controlada. Alguns tipos de medicamentos como antibióticos e corticoides podem alterar a flora vaginal e os sistemas de defesa do organismo e contribuir para o aparecimento da infecção. Pacientes com deficiência do sistema imunológico, como os portadores de HIV, também são bastante sensíveis a essas infecções por não conseguirem combater naturalmente os germes. "O sistema imunológico é um dos principais responsáveis por manter o desenvolvimento da candidíase vaginal sobre controle. Por isso, seguir uma boa alimentação e estar com a saúde em dia é muito importante para prevenção da doença", reforça o especialista.

No inverno, o abafamento da região por conta das calças jeans e materiais sintéticos como meia-calça impedem que a pele respire, aumentando a umidade do local e contribuindo para a proliferação do fungo. Então, para prevenir a candidíase, o ideal é redobrar os cuidados com a higiene íntima diária. A ginecologista Carolina Ambrogini explica que a prevenção pode ser feita com o uso de roupas mais arejadas (saias longas nos dias frios são uma ótima opção), calcinhas de algodão (tecido que permite a transpiração da pele) e evitar o uso de roupas muito justas. "A utilização de sabonete íntimo pode ajudar na manutenção do ph vaginal, porém não há necessidade de utilizá-los diariamente, somente 3x/semana. Nos demais dias, a higiene deve ser feita apenas com água corrente. Já quem é diabético, deve manter o controle glicêmico em taxas mais baixas para a prevenção", afirma. José Bento ressalta a importância da camisinha como instrumento de prevenção. "Vale lembrar também da importância do uso de preservativo em todas as relações sexuais", diz o especialista.

José Bento ainda explica que o diagnóstico clínico da candidíase é feito através do exame ginecológico, e pode ser complementado com exames de laboratório como o Papanicolau, onde a secreção é colhida e analisada microscopicamente. "O tratamento para combater a candidíase é feito à base de antimicóticos locais, com princípios ativos como o clotrimazol. Complementar o tratamento com uma dieta especial, preparada em conjunto com o médico, também ajuda a recuperar a saúde e a reconstruir o sistema imunológico", aconselha o médico.

Por Paula Perdiz

Comente

Últimas