TPM sob controle

TPM sob controle

Divulgação/ Editora Alaúde

Já pensou se existisse uma cartilha que explicasse tudo sobre a inconveniente Tensão Pré-Menstrual, e ainda fornecesse dicas de como lidar com ela sem enlouquecer? Soa como uma utopia, certo? E se essa cartilha fosse escrita por um homem? A ideia parece surreal, mas não é. A cartilha, na verdade, é o novo livro do ginecologista José Bento, publicado pela editora Alaúde, e se chama "TPM sob controle".

Ele conta que a TPM sempre foi um assunto que lhe despertou interesse. E a curiosidade ficou mais aguçada depois de ver um estudo realizado pelo Centro de Pesquisas em Saúde Reprodutiva de Campinas, da Unicamp, intitulado "Tensão Pré Menstrual: Experiência e perspectivas de mulheres no Brasil", que mostra que oito em cada dez mulheres brasileiras em idade reprodutiva sofrem com seus efeitos. Outro fato curioso divulgado na pesquisa é o de que mais de 80% das mulheres que padecem do problema não tinham sequer o diagnóstico e ficavam sem tratamento.

Diante dessa realidade, José Bento achou que era hora de reverter as estatísticas e desmistificar a TPM para o público feminino - e também para o masculino. "Achei que alguma coisa precisava ser feita a fim de mostrar às próprias mulheres que muita coisa pode ser realizada para melhorar a qualidade de vida nesse período", conta.

Para conseguir combater o inimigo, primeiro é melhor conhecê-lo. E foi exatamente isso que o ginecologista se empenhou em fazer. Mesmo que as mulheres sintam na pele, muitas não sabem por que sofrem com os efeitos do período pré-menstrual. José explica que durante essa época, as mulheres têm uma grande variação dos hormônios e essa mudança pode causar um desequilíbrio nos neurotransmissores (substâncias que levam informações de um neurônio a outro) e fazer com que sintam os indícios emocionais da TPM.

A tensão que enlouquece as mulheres pode evidenciar mais de 150 sintomas diferentes, entre irritabilidade, desconforto físico, dores, falta de energia, inchaço, melancolia, tristeza e choro fácil, além de ansiedade e compulsão por doces. Mas enquanto algumas parecem sentir todos esses sintomas ao mesmo tempo, outras simplesmente passam imunes às variações hormonais. "A mulher não tem obrigatoriamente a TPM, só por ter ciclos menstruais. Muitas passam pela vida sem experimentar qualquer sintoma", afirma. No entanto, a porcentagem das bem-aventuradas que não sofrem com o período pré-menstrual é bem pequena.

José declara que colocou dicas infalíveis em seu livro para que a TPM não seja mais um problema. "A primeira coisa que a mulher deve fazer é diminuir carga de estresse. Não estou falando para trocar de marido, emprego ou vida. É importante que ela diminua sua taxa de cortisol - o hormônio que aumenta o estresse", explica José.

José Bento afirma que é possível classificar a TPM em quatro tipos. Para poder classificar o quadro, o médico pede às mulheres que faça um diário. No livro dele as mulheres podem contar com um calendário que auxilia a detectar o tipo de TPM. "É importante conhecer e identificar o perfil da TPM, pois o autoconhecimento é fundamental para aprender a lidar com os sintomas", declara.

Junto com o diário, o especialista diz que é preciso relaxar. Atividades como ioga, massagem, acupuntura, ginástica e meditação costumam funcionar com sucesso. Diminuir a ingestão de café, chá, refrigerante, chocolate são alternativas que também ajudam. Aumentar a quantidade de cálcio, substância que pode ser encontrada no leite e derivados, verduras e frutas, também é uma boa pedida.

Junto com as mulheres, quem costuma sofrer com os efeitos da TPM são os homens. "Muitas vezes são os homens os responsáveis pelo estresse das mulheres. Para que isso não aconteça, o melhor é ajudá-las e dar muito carinho nessa fase", explica.


Os sintomas da TPM podem ser atenuados sim. Agora vai de cada uma se empenhar para transformar a tensão pré-menstrual em tempo de paz para a mulher (e para quem estiver ao seu redor).

Comente

Últimas