Vitiligo

Vitiligo

O falecimento do rei do pop Michael Jackson trouxe à tona a saúde do astro, principalmente em relação a suspeita de Vitiligo, uma doença que o próprio corpo produz - quando o organismo deixa de desenvolver certas células criando anticorpos para atacá-las.

O Vitiligo, que atinge 1% da população mundial, é hereditário. Você pode ter o gene de seus pais, mas ele apenas vai se manifestar caso tenha uma pré-disposição.

Segundo a dermatologista Valéria Fusari, não existe uma etnia com maior número de pacientes. "Ela acomete negros e brancos, igualmente, mas para quem tem a pele negra fica mais fácil de se reconhecer. As manchas brancas que não coçam, chamadas de branco-nacaradas (branco leitoso), se tornam mais visíveis ", completa.

O tratamento varia conforme o estágio da doença. Quando as lesões despigmentam boa parte da pele, o melhor é clarear as áreas "saudáveis" (pigmentadas) ao invés de tentar recuperar os locais já com as manchas. "Isso é apenas em situações mais graves, quando já se ultrapassa 50% das áreas do corpo com manchas de vitiligo", alerta.

A conseqüência desse método é a perda da proteção total da pele. Por ficar mais exposto aos rádios ultravioletas, o paciente tem mais chances de desenvolver o câncer de pele.

"Durante o tratamento usa-se cremes à base de um derivado da hidroquinona (bastante usado para clarear manchas), o nome correto é monobenzileter de hidroquinona, responsável por destruir os melanócitos, células responsáveis pela produção da melanina que pigmenta a pele", explica a dermatologista.

O contrário é feito quando os pacientes têm menos de 50% de manchas espalhadas por todo o corpo. Um dos recursos é a exposição ao sol das áreas afetadas.

Valéria explica que geralmente são usados remédios via oral ou cremes que estimulam a produção da melanina. O paciente usa o creme nas áreas afetadas e se expõe ao sol. Quem mora em países frios utiliza as câmeras que emitem raios ultravioletas.

"Este tipo de tratamento é feito com muito cuidado. A exposição é muito pouca, até 10 minutos no máximo. Se a gente observa que a pela fica rosada a noite, depois do paciente ficar ao sol por esse tempo, podemos continuá-lo normalmente".

As lesões, que podem ser isoladas ou espalhar-se pelo corpo, atingem principalmente os genitais, cotovelos, joelhos, face, extremidades dos membros inferiores e superiores (mãos e pés). Quando as manchas atingem mãos, pés e joelhos se torna mais difícil voltar a produção da melanina "ainda não existem estudos que expliquem porque esses locais demoraram mais", acrescenta.

Conforme Valéria, o preconceito ainda existe, porém, hoje em dia as pessoas estão mais informadas e já sabem que o vitiligo apenas atinge a própria pele. Quem convive com ele precisa se proteger ao máximo, usar sempre protetor solar 60. "Mesmo assim ele não é eficiente 100%, por isso o paciente precisa evitar a exposição solar e evitar frequentar lugares com muito sol entre as 10 e 16 horas", finaliza.

Comente

Últimas